Matosinhos

Autocarro da Resende que ardeu ia ser abatido

Autocarro da Resende que ardeu ia ser abatido

O autocarro da Resende que ardeu esta manhã em Matosinhos estava sinalizado e ia ser retirado de circulação.

Com matrícula de 1999, o veículo estava na lista dos autocarros que têm de ser abatidos.

O acidente desta manhã, apesar de não ter provocado feridos, vai fazer com que a ViaMove - nova operadora do concelho com a concessão de 60% das carreiras de transportes públicos em Matosinhos - avalie o que aconteceu e considere aumentar o esforço, o investimento e os parâmetros de qualidade da frota.

Pedro Morais, gerente da empresa, realça ainda que "mais que a idade da frota, é preciso reforçar o processo de gestão e manutenção", mantendo "todo o compromisso junto do Município". Até porque, acrescenta, "há autocarros com cinco anos que também podem ter problemas".

Até agora, a empresa adquiriu quatro novos autocarros. Três deles já estão a circular e um aguarda a contratação de motorista. Existem duas viaturas a ser renovadas e ainda quatro semi-novas à espera de licenciamento, por terem sido compradas no estrangeiro.

A Câmara de Matosinhos, em resposta ao JN, afirma que "em função da realidade encontrada, a ViaMove poderá ter de triplicar o investimento em viaturas, face ao inicialmente previsto".