Ernesto Páscoa

Distrital recusa candidatura que seria "derrota humilhante"

Distrital recusa candidatura que seria "derrota humilhante"

A Distrital do PS/Porto não vai ratificar a candidatura de Ernesto Páscoa a Matosinhos, aprovada quinta-feira "num contexto de forte desunião" e "sem concordância dos independentes", diz Manuel Pizarro.

O líder da Federação Distrital do PS/Porto, Manuel Pizarro, reagiu com "muita preocupação" à indigitação, por parte da Comissão Política Concelhia de Matosinhos, de Ernesto Páscoa como primeiro candidato à Câmara (36 votos a favor, ou seja 58%, e 24 contra), conforme adiantou o JN esta sexta-feira de manhã.

"A Distrital não poderá ratificar uma candidatura aprovada num contexto de forte desunião e sem a concordância dos independentes do grupo de Guilherme Pinto, que ganhou a Câmara por maioria esmagadora", declarou Manuel Pizarro, ao JN.

Se a Distrital ratificasse a candidatura do líder concelhio, Ernesto Páscoa, à Câmara Municipal de Matosinhos "estaria a condenar o PS a uma derrota humilhante", prosseguiu o líder federativo.

"A votação deixa-me muito preocupado. Mostra uma profunda divisão do PS/Matosinhos e mostra que temos algumas pessoas no partido do concelho que não retiraram qualquer lição do processo que, em 2013, conduziu à derrota do PS", criticou ainda o também vereador portuense e dirigente nacional.

Além disso, destaca que "mantém-se inteiramente válida a orientação definida pela Distrital sem nenhuma oposição de que o candidato à Câmara de Matosinhos será definido por acordo entre o grupo independente de Guilherme Pinto e o PS". E "tudo o que entretanto seja feito só prejudica a causa que nos deve mobilizar que é recuperar para o PS esta Autarquia".