Matosinhos

Matosinhos faculta testes gratuitos aos alunos antes do regresso às aulas

Matosinhos faculta testes gratuitos aos alunos antes do regresso às aulas

Os estudantes, a partir dos 12 anos, das escolas públicas e privadas de Matosinhos, no distrito do Porto, podem, antes do regresso às aulas e de forma gratuita, realizar testes de rastreio à covid-19.

O objetivo deste rastreio gratuito passa por minimizar o risco de transmissão do coronavírus SARS-CoV-2 no arranque do segundo período, após uma fase de maior convívio social devido às festas de Natal e Ano Novo, justificou a autarquia, numa nota publicada na sua página oficial.

Todos os estudantes a partir dos 12 anos que frequentem o ensino básico, secundário, superior e profissional em escolas públicas e privadas podem realizar o teste, sublinhou.

PUB

Os testes de rastreio serão realizados entre sábado e domingo, das 9 às 13 horas e das 14 às 19 horas, na Escola Básica Augusto Gomes e na Escola Secundária Senhora da Hora, referiu a câmara.

Contudo, a realização do teste tem de ser obrigatoriamente precedida de inscrição através de um "link" disponibilizado pelo respetivo estabelecimento de ensino até às 12:00 de sexta-feira, no seguimento do qual será remetido um email de confirmação com data e hora de agendamento.

Com o regresso às aulas agendado para segunda-feira, os professores e profissionais das creches e ATL podem, desde esta tarde e até domingo, fazer o reforço da vacina contra a covid-19 em regime de Casa Aberta.

A covid-19 provocou 5.456.207 mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 19.054 pessoas e foram contabilizados 1.539.050 casos de infeção, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em diversos países.

Uma nova variante, a ómicron, considerada preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 110 países, sendo dominante em Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG