Galp

Refinaria de Matosinhos pára totalmente no final do mês

Refinaria de Matosinhos pára totalmente no final do mês

A refinaria de Matosinhos deverá parar totalmente no final de abril, arrancando então as operações de desmantelamento e mantendo-se as previsões iniciais de uma poupança anual de 90 milhões de euros com o encerramento.

"A unidade deverá parar totalmente no final deste mês e vamos começar a fase de descomissionamento. A descontaminação será mais tarde e, portanto, do ponto de vista de geração de "cashflow", este é um processo que vai demorar muito, muito tempo, mas sem diferenças face aos números previstos", afirmou o diretor financeiro (CFO) da Galp, Filipe Crisóstomo, durante um "webcast" para apresentação dos resultados do primeiro trimestre da petrolífera.

Descrevendo como um "número histórico" o valor avançado no ano passado aquando do anúncio do encerramento da refinaria de Matosinhos - uma poupança de custos na ordem dos 90 a 100 milhões de euros anuais -, o CFO disse que "não há, nesta fase, indicações de que os números serão diferentes".

Segundo precisou, esse valor inclui cerca de 60 milhões de euros de poupanças em despesas operacionais e 30 milhões de euros em despesas de capital recorrentes.
A Galp anunciou no final do ano passado a concentração das suas operações de refinação no complexo de Sines e a descontinuação das operações na refinaria de Matosinhos a partir de 2021.

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Galp justificou a decisão com as "alterações estruturais dos padrões de consumo de produtos petrolíferos motivados pelo contexto regulatório e pelo contexto covid-19", que "originaram um impacto significativo nas atividades industriais de "downstreaming"", assegurando que "o aprovisionamento e a distribuição de combustíveis no país não serão impactados por esta decisão".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG