Ambiente

Descarga poluente em rio de Paredes

Descarga poluente em rio de Paredes

O Rio Ferreira foi alvo, esta terça-feira de manhã, de uma descarga poluente.

A poluição é visível à superfície do rio, nomeadamente junto à Levada do Souto, no parque da cidade de Lordelo.

GNR, SPNA e Agência Portuguesa do Ambiente foram chamadas ao local para registar o novo atentado ambiental, que está a conspurcar o rio que que atravessa as cidades de Lordelo e Rebordosa, ambas no concelho de Paredes.

A descarga "foi deliberada e programada", diz Nuno Serra, presidente da Junta de Lordelo, que aponta o dedo à Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Arreigada, sob gestão da empresa Águas de Paços de Ferreira.

O autarca foi ao local fotografou e filmou o esgoto a sair diretamente da ETAR para o rio sem qualquer tratamento.

Refira-se que a Águas de Paços de Ferreira e o Ministério do Ambiente já assumiram publicamente que a ETAR de Arreigada está obsoleta e que é necessário avançar para a construção de uma nova infraestrutura e cujo processo já estará em curso com uma candidatura a fundos comunitários. Porém, no dizer de Nuno Serra, hoje foi possível ver que a descarga "foi intencional e programada para se aproveitar o aumento do caudal do rio pela chuva que caiu durante a noite. Como habitualmente, quando há uma queixa, segundo a lei, eles têm 48 horas para comunicar uma eventual avaria à Agência Portuguesa do Ambiente (APA). E é assim que se lembram das multas e vão gerindo a situação, quando na verdade não há avaria nenhuma. Há sim lamas que eles teriam de tratar ou levar para um Aterro mas é mais barato despejá-las rio abaixo", denuncia revoltado o autarca de Lordelo.

O JN contactou a Águas de Paços de Ferreira, mas ninguém esteve disponível para falar sobre o assunto, remetendo para mais tarde uma eventual posição.