Fórum

Abordagem integrada permitiu apoiar moradores de bairros e ilhas do Porto

Abordagem integrada permitiu apoiar moradores de bairros e ilhas do Porto

As comunidades do vale da Ribeira da Granja, na zona ocidental do Porto, e do vale de Campanhã, na parte oriental da cidade, foram as áreas desfavorecidas da Invicta acompanhadas ao longo dos quatro anos do Programa Integrado de Inovação e Experimentação Social e de Animação Territorial do Porto - Abordagem Integrada para a Inclusão Ativa (AIIA), lembrou esta segunda-feira o vereador da Coesão Social da Câmara do Porto, Fernando Paulo, durante a sessão de abertura do Fórum para a Inclusão Social, que decorre na Alfândega do Porto até quarta-feira.

Identificadas no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), aquelas comunidades apresentaram "um diagnóstico social que evidenciava a prevalência de grupos sociais de maior vulnerabilidade em relação aos quais se impunha a criação de respostas mais diferenciadas, mais inclusivas e mais promotoras da sua efetiva integração social: jovens em situação NEET [não estuda nem trabalha], desempregados de longa duração e com baixas qualificações, pessoas em situação sem-abrigo, pessoas idosas em situação de isolamento social ou de elevado risco de isolamento e famílias em situação de vulnerabilidade social", referiu o vereador, que discursou em representação do presidente da Câmara, Rui Moreira, que não pôde estar presente na cerimónia, como estava previsto.

Fernando Paulo salientou que foi através de uma "abordagem integrada" que se tornou possível implementar o programa AIIA naqueles territórios, "merecedores de um enfoque particular no sentido de alavancar o seu desenvolvimento com vista a uma maior coesão socio-territorial".

"A implementação deste programa pressupunha uma visão integrada do desenvolvimento e da coesão socio-territorial e requeria um compromisso multissetorial que, desde logo, foi assegurado por uma abordagem integrada por parte do Município do Porto enquanto entidade promotora: este programa integrou formalmente as equipas, saberes e recursos do Departamento Municipal de Coesão Social, que o coordenou, e das Empresas Municipais Domus Social e Porto Vivo, SRU, que trabalharam de forma coordenada de modo a potenciar os impactos da sua ação nos territórios, na vida das comunidades e das pessoas abrangidas pelas iniciativas promovidas", vincou o vereador.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG