Porto

Magnólia "mudou-se" da Baixa para o Palácio de Cristal

Hugo Silva

Passagem por S. Bento, logo após a retirada da Praça da Liberdade|

 foto Direitos Reservados

Por Mouzinho da Silveira|

 foto Direitos Reservados

Na Rua do Infante|

 foto Direitos Reservados

Passagem pela zona da Alfândega, já a escurecer|

 foto Direitos Reservados

Passagem pela zona do Campo Alegre e da Rua Júlio Dinis|

 foto Direitos Reservados

Chegada ao Palácio de Cristal|

 foto Direitos Reservados

A magnólia que estava na Praça da Liberdade, no Porto, junto à estátua do ardina, foi transplantada para os jardins do Palácio de Cristal.

A mudança surgiu no âmbito das obras de construção da Linha Rosa da metro e a operação, concretizada ao final do dia desta quinta-feira, obrigou a vários constrangimentos de trânsito. A Polícia Municipal acompanhou todo o processo.

Filipe Araújo, vice-presidente da Câmara do Porto, explicou ao JN que este tipo de procedimento é usual, sempre que estão em causa espécies emblemáticas e que haja uma taxa de sucesso razoável. A transplantação de árvores implica sempre alguns riscos.

"Temos sempre bastante cuidado com os nossos conjuntos arbóreos", sublinhou o autarca, lembrando que há vários exemplares classificados como património.

A reformulação do espaço público devido às obras do metro obrigou a magnólia a mudar de casa. Uma vez que se trata de uma árvore emblemática, a Câmara do Porto, em articulação com a Metro, acertou a transplantação da Praça da Liberdade para os jardins do Palácio de Cristal.

O transporte foi monitorizado pela Polícia Municipal. Saiu de São Bento, passou por Mouzinho da Silveira, Rua do Infante, Alfândega, Rua de D. Pedro V e Rua de Júlio Dinis até ao Palácio.

Concluída a viagem, a magnólia foi plantada perto do lago que fica por detrás do Pavilhão Rosa Mota.