Porto e Gaia

Ministro questionado sobre "abandono" da Ponte Maria Pia

JN

Ponte deixou de ter atividade em 1991

Foto Pedro Correia/global Imagens

Há mais de 30 anos que a centenária Ponte Maria Pia, entre Porto e Gaia, está sem utilização. Nestas três décadas, sucederam-se as hipóteses e os projetos, que nunca passaram de intenções. O ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, volta a ser questionado agora sobre o futuro da histórica travessia ferroviária.

"A infraestruturas de Portugal está a desenvolver um projeto de recuperação e de nova utilização da Ponte Maria Pia? Existe algum projeto em elaboração e quando se prevê a sua conclusão?Qual a utilidade que a infraestruturas de Portugal conceptualiza para a Ponte Maria Pia? Quando é que a infraestruturas de Portugal pondera ter obras de reconversão na Ponte Maria Pia?" - as quatro questões são colocadas pelo deputado do PSD Firmino Pereira através de um requerimento entregue na Assembleia da República.

No documento, lembra-se que a Ponte Maria Pia, cuja gestão pertence à Infraestruturas de Portugal, foi inaugurada em 1877 e cessou a sua atividade ferroviária a 24 de junho de 1991. Nessa altura, foi inaugurada a Ponte S. João. Classificada como monumento nacional, a ponte "está num deplorável estado de abandono e sem conhecer um plano concreto para a sua reconversão e utilização", denuncia Firmino Pereira.

"Foram feitos muitos estudos pelas câmaras municipais do Porto e de Vila Nova de Gaia, mas, até hoje, nada de concreto se concretizou. Em 2017 a Infraestruturas de Portugal anunciou ter estudado a utilização da ponte para a instalação de um circuito pedonal e ciclovia", assinalou o deputado.

"A Ponte Maria Pia está abandonada e considero inqualificável não existir vontade por parte do Estado em colocar esta obra emblemática, do ponto de vista da engenharia, ao serviço das pessoas e como polo de atratividade turística", insistiu o social-democrata.

Firmino Pereira já tinha questionado Pedro Nuno Santos sobre o atraso nas obras de requalificação do tabuleiro inferior da Ponte Luís I. Como noticiou o JN, os trabalhos deveriam acabar em outubro, mas a IP admitiu que a data não será cumprida e nem há um prazo para a conclusão da obra. O facto da travessia estar mais degradada do que o esperado e a dificuldade de obter materiais devido ao conflito na Ucrânia ajudam a explicar a situação.