Veja as propostas finalistas

Nova ponte do Porto já tem desenho conhecido

Alfredo Teixeira

A proposta que ficou para já em primeiro lugar foi elaborada pelo gabinete Edgar Cardoso

Foto Dr

Foram apresentados, esta segunda-feira, os três finalistas de concurso público internacional para uma nova ponte. Uma das propostas concretizar-se-á na ligação entre as duas margens do Douro, entre Porto e Gaia.

A nova ponte será exclusivamente para servir a segunda linha Metro do Porto para Gaia e não terá trânsito rodoviário, como a outra ligação (a ponte D. António Francisco dos Santos) que está também projetada para nascer junto ao Freixo, à cota baixa, a unir Campanhã a Oliveira do Douro.

Semelhante à Arrábida

Em primeiro lugar ficou a proposta da Empresa Edgar Cardoso, Engenharia e Laboratório de Estruturas que tem o nome do famoso engenheiro que projetou a Ponte da Arrábida, inaugurada em 1963.

A proposta apresentada é a mais bem posicionada para vencer o concurso público internacional de conceção para a elaboração do projeto de execução da ponte do Metro sobre o Douro e que ficará concluída em dezembro de 2025.

A nova travessia ficará localizada a escassos 500 metros da Ponte da Arrábida, inaugurada em 1963, projetada pelo famoso engenheiro de pontes português, que agora dá nome ao gabinete que apresenta a proposta mais barata e que ficaria concluída em menor espaço de tempo.

O que a empresa Edgar Cardoso propõe é uma estrutura em tudo semelhante à rodoviária, ou seja, um pórtico com efeito de arco, toda em betão e com poucos apoios nas encostas. Recorde-se que uma das condições do concurso reside no facto de se construir uma ponte não só para servir a segunda linha de metro para Gaia mas que contemple ainda a circulação de peões e bicicletas.

A proposta que está em primeiro lugar prevê acesso para peões, através de escadas e por um elevador, servindo a cota baixa, a Rua do Bicalho, e a cota alta, na zona da Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto. Amiga do ambiente e a contribuir para a descarbonização, os carris terão painéis fotovoltaicos para produzir a energia que iluminará a ponte. Esta é a proposta mais barata, 50,5 milhões de euros, e que ficará mais rapidamente concluída: 970 dias.

Arco sobre o tabuleiro

Em segundo lugar está a proposta da Coba, uma das maiores empresas portuguesas do ramo da consultoria de engenharia. A solução apresentada apresenta um arco intermédio que sobrevoa o tabuleiro. Trata-se de uma estrutura essencialmente metálica com 9500 toneladas de aço, apresentando apenas os pilares na encosta em betão. Enquanto o arco da Ponte da Arrábida tem um desenvolvimento de 270 metros, o desta proposta atinge os 400 metros.

Prevê-se ainda a criação de uma praça junto ao rio do lado do Porto. O prazo de execução são 1001 dias e os custo apresentado é de 62,8 milhões de euros.

Pilares assimétricos

Em terceiro lugar está a proposta do consórcio liderado pela Betar Consultores Lda. Trata-se de um pórtico com pilares inclinados assimétricos na margem com 850 metros e com um vão de 140 metros, numa estrutura mista de betão e aço.

O prazo de execução proposto é de 1004 dias e terá o custo de 69,2 milhões de euros.

Escolha final

Nesta segunda fase do concurso, como explicou o presidente da empresa Tiago Braga, serão consultados os três classificados e escolhida a proposta final. Os parâmetros de avaliação contemplam a qualidade de conceção em 50%, o preço em 20% e o prazo de execução em 30%.

O envio dos convites está marcado para 3 de novembro. A publicação do relatório de avaliação do júri será a 30 de novembro e a adjudicação a 7 de dezembro. Tudo aponta para que as obras arranquem no terreno no último trimestre de 2022 ou no primeiro de 2023. A conclusão está prevista para 31 de dezembro de 2025.

"Qualquer uma das propostas incluem a tradição do Porto de ter obras icónicas nas suas travessias. Não se trata só de uma nova linha de metro mas de uma nova obra de arte, uma marca indelével das cidades de Gaia e Porto", afirmou Eduardo Vítor Rodrigues, o autarca de Gaia, na cerimónia de apresentação das propostas realizada esta manhã.

Também Rui Moreira se mostrou satisfeito com o que viu e considera que "as propostas adequam-se às expectativas das nossas populações". O autarca portuense destacou a "notória preocupação de compatibilização quer com a descarbonização quer com o ordenamento do território".

O Ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, saudou as duas autarquias que "não têm dúvidas de que o futuro está na mobilidade" e destacou as 28 propostas recebidas neste concurso, não só de empresas portuguesas mas de todo o Mundo.

O financiamento para a construção da nova ponte virá do PRR (Plano de Recuperação e Resiliência). Matos Fernandes relembrou os 825 milhões de euros em obra em construção pela Metro do Porto que incluiu o prolongamento da Linha Amarela e a criação da Linha Rosa, a aquisição dos novos veículos e a construção da Linha de Bus Rapid Transit (BRT) entre a Boavista e a Praça do Império, cujas propostas para a sua conceção serão conhecidas dentro de dias.