O Jogo ao Vivo

Porto

BE formaliza candidatura ao Porto com criticas à "política de fachada" de Moreira

BE formaliza candidatura ao Porto com criticas à "política de fachada" de Moreira

O Bloco de Esquerda (BE) formalizou, esta sexta-feira, a candidatura de Sérgio Aires à Câmara do Porto, criticando a "política de fachada" seguida pelo atual presidente da autarquia e candidato independente Rui Moreira.

"O Porto é uma cidade extraordinária que nós gostamos muito, que nós vivemos muito, mas tem tido uma política sobretudo de fachada. É uma cidade bonita em que quem cá vive, vive com muitas dificuldades", afirmou a coordenadora do BE, Catarina Martins, que acompanhou Sérgio Aires na entrega das listas aos órgãos autárquicos do partido no Palácio da Justiça.

Para a bloquista, o Porto é hoje a cidade em que quem vive nos bairros viu serem realizadas obras "por fora", mas "vê as suas casas por dentro a apodrecerem".

É a cidade, considerou, "do assédio imobiliário" e "da perseguição" a gente que com o seu salário e pensão "não é capaz de pagar a renda da casa e se vê expulso".

"Este projeto do Bloco de Esquerda (...) é para que o Porto não seja apenas uma cidade bonita, mas sim uma cidade onde é bom viver e onde quem vive do seu salário, da sua pensão é respeitado também, tem acesso a serviços públicos de qualidade e tem direito a uma habitação condigna", rematou Catarina Martins, mostrando-se confiante no projeto coletivo que o partido ao Porto.

Dirigindo-se aos jornalistas, o candidato do BE à autarquia, salientou que a lista com a qual se apresenta é "bastante paritária" e com muitos independentes, nomeadamente para a Câmara do Porto, onde 50% dos candidatos são independentes.

"Por si só é um sinal da necessidade e da vontade das pessoas de se mobilizarem para uma cidade que, de facto, queremos mais justa e mais diversa", afirmou.

PUB

Com o objetivo transversal do combate à pobreza e às desigualdades, a candidatura liderada por Sérgio Aires quer uma cidade que estanca a saída das pessoas e que sobretudo proporciona o regresso das pessoas ao Porto, com uma aposta muito forte nas questões da habitação.

Por outro lado, o BE considera também prioritário o combate às alterações climáticas, nomeadamente através da criação de espaços verdes, da promoção dos modos suaves de transporte e da priorização do transporte público.

Para Sérgio Aires, é ainda essencial a afirmação do Porto como uma cidade "mais democrática", onde a participação cívica seja mais efetiva.

"Nós últimos anos, esta cidade tem estado sob uma forma de governação que embora naturalmente tenha legitimidade democrática, tem usado essa legitimidade democrática de uma forma condenável na participação dos cidadãos nas decisões. O executivo municipal deve, de facto, executar, mas não tem de decidir tudo, não tem de programar tudo sozinho", declarou.

E acrescentou: "é esta a cidade que queremos, uma cidade participada, uma cidade justa, uma cidade diversa, uma cidade que quer voltar a ser Porto".

À Câmara do Porto são já conhecidas as candidaturas de Ilda Figueiredo (CDU), Bebiana Cunha (PAN), Vladimiro Feliz (PSD), Tiago Barbosa Ribeiro (PS), Diogo Araújo Dantas (PPM), André Eira (Volt Portugal), António Fonseca (Chega), Bruno Rebelo (Ergue-te), Diamantino Raposinho (Livre) e a recandidatura do independente Rui Moreira.

A Câmara do Porto é liderada por Rui Moreira, cujo movimento independente elegeu sete mandatos nas autárquicas de 2017, aos quais se somam quatro eleitos do PS, um do PSD e um da CDU.

As eleições autárquicas estão marcadas para 26 de setembro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG