Porto

Câmara do Porto apresenta nova imagem onde cabe a cidade inteira

Câmara do Porto apresenta nova imagem onde cabe a cidade inteira

A Câmara Municipal do Porto apresentou, esta segunda-feira, a nova imagem gráfica da cidade, concebida por Eduardo Aires, que pretendeu reunir na marca Porto todos os elementos do município, como explicou o presidente da autarquia, Rui Moreira.

Numa cerimónia que decorreu no átrio dos Paços do Concelho, Rui Moreira afirmou que esta é uma marca "constituída por muitas componentes": "onde já estão o vinho, o futebol, o rio, o mar, os templos de cultura, religiosos e institucionais e o património imaterial riquíssimo, que são as nossas tradições, as nossas festas e o nosso caráter".

"Queríamos ter uma imagem que juntasse o Porto todo. E de facto é esta descrição, é Porto ponto", acrescentou o presidente da Câmara Municipal do Porto, em referência ao ponto que se segue ao nome da cidade na nova imagem, colorida a um azul e branco ligado ao azulejo.

As páginas institucionais do universo camarário como www.cm-porto.pt e o novo www.porto.pt estão já ativas, tendo o autarca ressalvado que "nem todas as funções destes 'sites' estarão hoje a funcionar em pleno, mas até ao final do ano [estarão] disponíveis novas aplicações de georreferenciação e inteligência artificial que permitirão aos portuenses, mas também aos que visitam, terem uma visão mais global e cosmopolita da cidade".

Entretanto a revista municipal, "um órgão de informação mais política", foi suspensa para equilibrar os custos da operação, estando prevista a sua reedição "brevemente, com outro cariz".

"O Porto dirá se o trabalho que hoje apresentámos será adotado. Mas estou convencido de que sim. Este Porto é o Porto liberal, irreverente, inconformado, criativo e com caráter que conheço. Revejo-me nele. E é um Porto aberto", declarou Rui Moreira.

Por seu lado, Eduardo Aires explicou que este "rosto novo para a cidade que se exprime na palavra Porto apela simultaneamente a algo que já existe há muito tempo", ou seja, "nesta palavra está um Porto novo muito antigo".

PUB

"Também a cor foi um aspeto fundamental da proposta. As igrejas e os edifícios revestidos de azulejos ocupam um lugar dominante no imaginário dos portuenses e dos visitantes. O azulejo cativou-nos por ser uma espécie de retrato estático da vida urbana. Os painéis de azulejos são contadores de histórias", referiu Eduardo Aires.

Rui Moreira, que salientou que a toponímia da cidade não sofrerá alterações, concluiu dizendo que "o Porto não mudou hoje a sua imagem", mas que os portuenses é que mudaram hoje a sua "forma de olhar o Porto".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG