Porto

Casa Museu vai ser recuperada

Casa Museu vai ser recuperada

A Câmara do Porto vai ceder a Casa Museu Vitorino Ribeiro, em Campanhã, à Associação Portuguesa de Luta Contra o Cancro do Pulmão. Em contrapartida, a Pulmonale terá de gastar 321 mil euros na recuperação do edifício e pagar uma renda de 30 euros por mês.

Criada em 16 de Setembro do ano passado, a instituição particular de solidariedade social constituída por profissionais de saúde, doentes com cancro do pulmão e outros, solicitou ao Município a cedência de um imóvel para instalar a sua sede no concelho.

A Autarquia propôs a Casa Museu Vitorino Ribeiro (pintor e coleccionador de arte) e a associação aceitou, comprometendo-se a investir 321.226 euros na reabilitação daquele edífico de três pisos, devoluto e com evidentes sinais de degradação, no número 148 da Rua Joaquim edifício Ribeiro, na freguesia de Campanhã. A Pulmonale terá ainda que pagar 30 euros por mês de renda.

O imóvel foi doado ao Município em 1951. Segundo a escritura de doação, a Câmara deverá manter no edifício "sempre uma instituição de carácter cultural, como biblioteca popular, jardins infantis ou outra daquela índole" e destiná-lo a fim de interesse público, pode ler-se na proposta, que a vereação vai votar na próxima reunião, na terça-feira.

O contrato de cedência, por 30 anos renováveis, estabelece ainda que, se a associação restituir o imóvel à Câmara antes do prazo previsto, tem o direito a ser ressarcida pelos investimentos efectuados no edifício proporcionalmente ao tempo em falta.

"Quer pelo interesse público subjacente, quer pela oportunidade de reabilitação de património municipal, com a consequente valorização do mesmo, sem dispêndio de recursos municipais, esta cedência reveste-se de elevado interesse para o Município do Porto", pode ler-se na proposta.

A Pulmonale, com âmbito de acção nacional, tem como objectivos promover o rastreio e o diagnóstico precoce do cancro do pulmão, prestar aconselhamento a doentes e familiares e criar um programa de cessação tabágica nos grandes centros populacionais de fácil acessibilidade e custos reduzidos.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG