Monumentos

Centro histórico do Porto em relatório mundial sobre património em risco

Centro histórico do Porto em relatório mundial sobre património em risco

O centro histórico do Porto, a paisagem cultural de Sintra e o Mosteiro de Alcobaça foram incluídos no mais recente Relatório Mundial sobre Monumentos e Sítios em Perigo, publicado em 2020, pelo conselho internacional dedicado ao património.

A construção de um hotel de cinco estrelas na zona da Gandarinha, em Sintra, a instalação de outro hotel em espaços pertencentes ao Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça e projetos na área da restauração da estação de São Bento, no Porto, são casos citados, que sustentam os alertas de risco, baseados sobretudo na falta de observação das diretrizes da Convenção do Património Mundial.

Os dados sobre Portugal constam do "Relatório do Património Mundial em Risco 2016-2019", do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS, na sigla em inglês), que aborda a situação em 23 países. O documento é publicado regularmente há 20 anos, com o objetivo de chamar a atenção para os monumentos e paisagens culturais em perigo por causas naturais e humanas.

O relatório conclui que as ameaças ao Património Mundial se devem à "falta de aplicação de legislação nacional e de recomendações internacionais", e à "falta de observação das diretrizes da Convenção do Património Mundial". "As entidades responsáveis - gerentes, autarquias, administração regional e central - deveriam respeitar mais as recomendações para assegurar a proteção do património", aponta o documento do ICOMOS, acrescentando que a análise apresentada "não é exaustiva e é baseada em dados dos projetos arquitetónicos e observações no local".

A organização adverte, por isso, para a "necessidade de uma avaliação mais detalhada do estado de conservação dos monumentos e sítios". "Se, a curto prazo, não forem tomadas medidas de emergência, o mesmo tipo de intervenções arbitrárias irá continuar, com um esperado aumento de efeitos negativos", alerta.

Este mais recente relatório chama a atenção para situações como a alteração de fachadas históricas em edifícios nos Países Baixos, as ameaças aos conjuntos de arte gótica em Bombaim, na Índia, e a alteração de interiores de catedrais e abandono de antigas sinagogas em Berlim, na Alemanha.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG