Música

Cerca de 35 mil discos de vinil para ouvir a partir de hoje no Porto

Cerca de 35 mil discos de vinil para ouvir a partir de hoje no Porto

Fonoteca abre portas em Campanhã, no Porto. Discos são retrato do que se ouvia na rádio entre os anos 1950 e 1990.

Está instalada no armazém 12 de uma viela com entrada pelo número 122 da Rua Pinto Bessa, em Campanhã, e conta com mais de 35 mil discos de vinil para serem escutados. A Fonoteca Municipal do Porto abre hoje portas às 14 horas e, pelas prateleiras, há um pouco de tudo para ouvir. Inserido no complexo da Arda Recorders, o arquivo sonoro é formado por duas doações feitas ao município pela Rádio Renascença e pela Radiodifusão Portuguesa.

"Grande parte da coleção é um retrato muito vivo daquilo que se fazia nas rádios. Diria que entre os anos 50 e os 90", contou Armando Sousa, arquivista e cuidador do espólio da Fonoteca.

A ideia de disponibilizar a coleção ao público surgiu há cerca de três anos. Até então, o acervo estava guardado na Biblioteca Almeida Garrett.

"Fomos contactados pelo João Brandão [administrador dos estúdios de gravação Arda Recorders] a informar que iria passar o projeto que tinha em Sá da Bandeira para um complexo muito maior e mais interessante. Achámos que faria todo o sentido propor uma colaboração neste âmbito. Por diversos motivos: pelo facto de estarmos numa zona estratégica, por ser uma área onde a Câmara está a investir muito do ponto de vista cultural e porque as valências que a Arda tinha podiam potenciar de forma significativa este projeto", recordou Guilherme Blanc, da empresa municipal Ágora.

A mudança da coleção de vinil para a Fonoteca Municipal aconteceu há um ano. "Foi uma trabalheira. Foi praticamente sangue, suor e lágrimas", brincou Armando Sousa. "Foram dias muito intensos porque os discos chegavam, tinham de ser colocados no sítio e depois levavam as caixas [para trazer mais]. Foi uma correria", acrescentou.

Marcação obrigatória

A partir de hoje, o acervo poderá ser consultado entre as 14 e as 19 horas, de terça-feira a sábado. No entanto, devido à pandemia, a visita ao espaço ou a consulta dos discos está condicionada a marcação prévia, em sessões com a duração máxima de uma hora. Aceitam-se ainda doações de vinis.

De acordo com Guilherme Blanc, o projeto da Fonoteca Municipal do Porto prevê também o desenvolvimento de algumas atividades, mas que só deverão arrancar assim que as regras impostas pela Direção-Geral da Saúde o permitam.

"Há um conjunto de atividades que estão pendentes e que queremos desenvolver de escuta pública, discussão e conversas, bem como todo um serviço educativo entre escolas e alunos com este património e com o fonograma", explicou.

Outras Notícias