Iniciativa

De porta em porta a levar o "Notícias" ao coração da Invicta

De porta em porta a levar o "Notícias" ao coração da Invicta

União de Freguesias do Centro Histórico do Porto entrega o JN em casa de quem não tem outra forma de ler jornais.

A ação social na Invicta não se faz apenas através da chegada de alimentos ou de medicamentos a casa daqueles que mais precisam neste tempo de pandemia. As notícias também são para levar ao domicílio e foi nisso que pensou a União de Freguesias do Centro Histórico do Porto, quando decidiu, pela mão do presidente António Fonseca, entregar, três vezes por semana, a edição do dia do JN. A quem não tem condições de saúde para ir ao quiosque mais próximo, nem pode gastar dinheiro em jornais, e para quem a Internet não vai deixar de ser um mundo longínquo.

A manhã de ontem foi igual às anteriores, numa cidade que o coronavírus transformou radicalmente. Do Porto fervilhante e barulhento, não há sinais. Primeiro passo, Vitória, ali bem perto da Torre dos Clérigos. Maria Aurora, de 73 anos, recebe o "Jornal de Notícias" com agrado. "Não saio de casa, a minha filha é que vai às compras. O que me tem entretido é a televisão. Assim sempre posso ler qualquer coisa", diz, com aquele ar triste de quem espera por dias melhores.

Nem que seja à lupa

A seguir, Cedofeita. Os jornais chegam, mas as pessoas não querem aparecer na fotografia. Depois, Santo Ildefonso. Celina Silva, de 59 anos, recupera de uma operação às cataratas, mas sublinha que, "se for preciso", vai passar os olhos pelo JN "com uma lupa". Quem não tem cão, caça com gato. "Sempre gostei de ler jornais e de escrever. Agora sinto mais dificuldades, mas quero continuar a fazê-lo".

Mais uma caminhada e é a vez de Joaquim Ribeiro, de 70 anos, ter na mão o jornal do dia. A lutar contra a diabetes, no refúgio do lar. "Não saio e já antes pouco saía. A televisão é uma companhia, mas também é bom poder ler as notícias", refere, resignado a uma realidade que ninguém sabe quando acabará: "Quantos dias estaremos nisto? O tempo que for, será".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG