Porto

Estação de metro do S. João será coberta e terá loja Andante e cafetaria

Estação de metro do S. João será coberta e terá loja Andante e cafetaria

Um investimento de três milhões de euros na renovação do términos Norte da Linha Amarela contempla ainda a estação do Pólo Universitário.

A Metro do Porto vai investir três milhões de euros na renovação do pólo intermodal do Hospital de S. João. Trata-se do términos Norte da Linha Amarela (D) e a intervenção envolve a construção de um interface coberto da estação e de duas lojas Andante, uma no final da linha e outra no Pólo Universitário.

De acordo com a empresa, o investimento é suportado pelo Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente e da Ação Climática, no âmbito do PEES (Programa de Estabilização Económica e Social), e pela Câmara Municipal do Porto. A intervenção, projetada pelo arquiteto Adalberto Dias e resultante da articulação com o município para a renovação do pólo intermodal do Hospital de S. João, tem um prazo de seis meses.

Este novo interface, para além de uma "verdadeira" Loja Andante e de uma cafetaria, disponibilizará melhores condições para a ligação entre a Linha Amarela e os autocarros da STCP, num espaço coberto e confortável para os clientes, mas também para os trabalhadores dos diversos operadores de transportes que ali operam, substituindo instalações provisórias há muito aí instaladas. No Pólo Universitário, o projeto contempla uma nova Loja Andante, igualmente com cafetaria.

Para a Metro esta intervenção "terá consequências relevantes em toda a extensão da Linha Amarela, cuja operação regular poderá aumentar dos atuais 11 para uns futuros 16 veículos por hora e sentido". Este aumento de quase 50 por cento traduz-se numa melhoria direta das frequências de circulação ao longo do percurso que liga o Hospital de S. João a Santo Ovídio (e posteriormente, com a empreitada de prolongamento da linha, também a Vila d'Este).

Conhecida como "a linha das linhas" (dado que representa mais de um terço da procura total da rede), o grande eixo Norte-Sul do Metro do Porto ganhará maior capacidade (para servir até cerca de 15 mil clientes/hora) e melhores frequências (podendo ir até intervalos de 3 minutos e meio entre veículos).

Os candidatos à execução da obra devem entregar as suas propostas até 29 de março. A empresa pretende que os trabalhos se iniciem ainda no segundo trimestre, por forma a rentabilizar este período de menor procura e que decorre da pandemia e das restrições à circulação que estão de momento em vigor.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG