Estudo

Há um "elevado grau de concentração" de Alojamento Local na Baixa do Porto

Há um "elevado grau de concentração" de Alojamento Local na Baixa do Porto

Um estudo sobre Alojamento Local (AL) apresentado, esta terça-feira, na Câmara do Porto revela que há "um elevado grau de concentração na Baixa da cidade", onde a pressão corrente é o "dobro do valor" observado em todo o município.

"Verifica-se um elevado grau de concentração na Baixa da cidade em que a pressão corrente do AL é pelo menos o dobro do valor observado para a cidade como um todo", lê-se num estudo apresentado hoje, em reunião pública do executivo da Câmara Municipal do Porto, referindo, todavia, que, "globalmente, o crescimento do AL apresenta uma expressão marginal, com uma pressão corrente em torno dos 5%".

Nas conclusões gerais, os autores do estudo Alberto Castro, Mariana Cunha, Fernando Santos e Carlos Seixas destacaram também que na Baixa da cidade observou-se uma "elevada ocupação por AL de habitação previamente existente o que, intuitivamente, reforça a apreensão".

Ainda nas conclusões gerais do estudo realizado pela Universidade Católica, os dados mostram que em qualquer freguesia do Porto a pressão do AL sobre a habitação ocupada é superior à pressão do AL sobre habitação vaga, o que seria à partida motivo de preocupação.

"Na Baixa da cidade, em comparação com as demais freguesias, observam-se valores relativamente baixos de pressão do AL sobre a habitação ocupada o que parece indicar que aí houve um investimento na reabilitação superior à média", refere-se no estudo.

Durante a apresentação do estudo, os autores alertaram que não se devia olhar apenas para parte da ocupação habitacional, porque poderia ser "insuficiente", sugerindo que se tentasse saber como o comércio local se foi adaptando.

O estudo conclui ainda que existem "grandes diferenças entre freguesias e dentro de freguesias".

O vereador Ricardo Valente, que tem a pasta do turismo, anunciou na reunião que, com o novo estudo, a Câmara do Porto passa a ter capacidade para tomar decisões de contenção de alojamento local, até porque foi criado um "algoritmo de monitorização da cidade", tal como um "termómetro para medir as dinâmicas na cidade", esclareceu.

"A nossa ideia é criar um algoritmo e ter um sistema de monitorização para ter a capacidade de monitorizar e tomar as decisões do ponto de vista da habitação", declarou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG