Covid-19

Hospital de campanha da Câmara do Porto desativado até ao final da semana

Hospital de campanha da Câmara do Porto desativado até ao final da semana

O "Hospital de Campanha Porto.", ​​​​​​​montado para aliviar a pressão sobre os hospitais de São João e Santo António, vai ser desativado até ao final da semana, um mês após ter entrado em funcionamento, revelou esta quinta-feira o município.

Em comunicado, a autarquia esclarece que a unidade, a funcionar, com doentes internados, desde o dia 14 de abril, será desativada até ao final da semana, dado que os hospitais do Porto "voltaram a ganhar capacidade de internamento".

Contudo, a estrutura não será desmontada para já, mantendo-se "pronta a ser reativada, caso surja uma segunda vaga de covid-19".

"Se tudo correr como previsto, até sexta-feira os últimos doentes receberão alta e a unidade, que contou com cerca de 300 médicos, enfermeiros e auxiliares em regime de voluntariado, ficará sem internamentos, prevendo-se a sua limpeza, mas não a desmontagem", assinala o município.

Em caso de uma segunda vaga de covid-19, ou caso os hospitais de São João e Santo António registem, de novo, um número de internamentos perto do limite, a unidade poderá voltar a funcionar em poucos dias, mantendo-se instalada até 31 de julho.

De acordo com a autarquia, pelo "Hospital de Campanha Porto." passaram cerca de três dezenas de doentes, que ocuparam 20% da capacidade instalada na primeira fase, embora o hospital possuísse mais 150 camas, no piso inferior, que poderiam ser ativadas em caso de necessidade.

PUB

Sobre os custos da operação, o município salienta não ter ainda apuradas todas as contas, mas os contratos realizados com fornecedores, como a limpeza, o tratamento de resíduos hospitalares ou refeições, foram todos feitos, prevendo a interrupção da atividade e prevendo que apenas a parte efetivamente consumida fosse faturada.

Para a autarquia, os custos da montagem e funcionamento do hospital não devem ultrapassar o valor dos donativos recebidos através da campanha realizada pela RTP e de transferências bancárias assumidas por mecenas, uma vez que o pavilhão foi cedido gratuitamente pelo concessionário e as camas pelo exército.

No dia 13 de abril, o presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos, António Araújo, avançava que aquela unidade iria permitir transferir cerca de 20% dos doentes internados nos dois hospitais da cidade.

A estrutura, montada com o apoio de várias entidades, destina-se a receber doentes infetados com covid-19, assintomáticos ou com sintomas ligeiros, mas sem possibilidade de isolamento no domicílio, podendo ainda ser usada por doentes infetados e com necessidade de cuidados médicos devido a outras patologias, e doentes em fase de convalescença.

No total, o "Hospital Porto." dispõe de 320 camas para doentes covid-19, distribuídas por dois pisos.

O espaço foi inicialmente preparado para a eventualidade de receber idosos de lares cuja estrutura funcional tivesse sido comprometida pela pandemia, contudo, "perante a necessidade identificada pelos hospitais do Porto, o Pavilhão Rosa Mota acabou por ser transformado num hospital de campanha.

Na nota, o presidente da autarquia, Rui Moreira, salienta que esta unidade não foi um ato isolado, encaixando-se num plano que "funcionou e que previu o ataque à pandemia de várias formas" como o encerramento "precoce" de serviços e rastreio aos lares de idosos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG