Porto

Hospital no Pavilhão Rosa Mota pronto para a semana com 300 camas

Hospital no Pavilhão Rosa Mota pronto para a semana com 300 camas

O SuperBock Arena - Pavilhão Rosa Mota, no Porto, vai acolher, dentro de alguns dias, um hospital para ajudar no tratamento de doentes infetados com Covid-19. Haverá 300 camas.

"Os trabalhos começaram hoje em força e a unidade, que servirá de retaguarda aos Centros Hospitalares de São João e Universitário do Porto (Santo António), estarão terminados na próxima semana, podendo receber de imediato os primeiros doentes se para tal houver necessidade", informou a Câmara em comunicado enviado às redações esta terça-feira.

De acordo com a nota, o "Hospital Porto.", cuja gestão clínica estará a cargo do Conselho Regional da Ordem dos Médicos, tem "condições excelentes relativamente aos normais hospitais de campanha", oferecendo "mais 300 camas ao sistema nacional de saúde". Destina-se a receber doentes de Covid-19 "assintomáticos ou com sintomas ligeiros sem possibilidade de isolamento no domicílio". Mas poderá ser usado também por doentes infetados com necessidade de cuidados médicos devido a outras patologias e por doentes em fase de recuperação, após infeção.

As instalações e camas da unidade estão a ser montadas pela Câmara com o apoio do Exército, depois de a concessionária Círculo de Cristal ter cedido o espaço. A transformação do pavilhão num hospital, "em tempo recorde, permitirá aliviar a pressão sobre os dois principais hospitais públicos da cidade que têm estado na primeira linha de atuação à doença", pode ler-se.

Idosos de lares no Seminário de Vilar

"Inicialmente, o pavilhão estava reservado pelo Município para ser um dos centros de acolhimento dos idosos que tenham de ser deslocalizados dos lares da cidade que desde domingo estão a ser testados de forma sistemática. Contudo, a Diocese do Porto disponibilizou, entretanto, o Seminário de Vilar para esse efeito, que conjuntamente com a Pousada da Juventude, será suficiente para cumprir o programa de isolamento após os rastreios", explica.

O comunicado detalha ainda que chegaram, na segunda-feira, e Portugal cinco mil "kits" de teste de diagnóstico oferecidos pela Fundação Fusun e pela Gestifute à Câmara do Porto. E, nos próximos dias, chegarão "os primeiros de 50 ventiladores comprados pelo Município numa empresa tecnológica de Shenzhen (China)", que terão como destino os hospitais de São João e de Santo António. Cinco desses equipamentos seguirão para o Hospital de Cascais, no âmbito de uma colraboração estabelecida com o município.

"Em curso estão outras doações de material de proteção médica, oriundos de diversos empresários chineses", informa ainda o comunicado.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG