Moreira da Costa

Dono do Yeatman quer fechar livraria histórica do Porto

Dono do Yeatman quer fechar livraria histórica do Porto

O mais antigo alfarrabista da cidade do Porto tem selo histórico, mas dona dos hotéis Yeatman e Infante Sagres não desiste de ocupar o espaço.

A Moreira da Costa, o mais antigo alfarrabista da cidade do Porto, já é loja histórica, mas ainda corre o risco de fechar. O selo do programa municipal "Porto Tradição" não demoveu os novos proprietários do Hotel Infante de Sagres, senhorios da livraria, de incluir aquele espaço nas obras de remodelação do edifício. O objetivo será colocar ali uma loja com artigos ligados à marca e à cidade.

O alfarrabista, fundado em 1902 na Rua de Aviz, pretende manter ali os seus 50 mil títulos. A Sagrotel quer ocupar o espaço e alega que denunciou o contrato de arrendamento antes da Moreira da Costa ser considerada loja histórica. "A denúncia do contrato é anterior ao requerimento e consequente processo de reconhecimento. Prevalece, por isso, o mecanismo legal acionado pelo senhorio, a menos que se verifique consenso entre as partes", confirmou a Câmara do Porto.

"Tenho muito orgulho em estar a defender a sexta geração da Moreira da Costa. Continuaremos a lutar para manter o património da cidade", contrapõe Susana Fernandes, companheira do atual dono da livraria. A Moreira da Costa passou de geração em geração, até chegar às mãos de Miguel Carneiro. Ontem, foi Susana Fernandes quem falou ao JN. "Houve realmente uma denúncia de contrato por parte da Sagrotel, no dia 23 de junho do ano passado. Mas deixou de ter efeito a partir do momento em que fomos oficialmente considerados loja histórica, no dia 21 de dezembro de 2017, pela lei 42/2017, que nos protege". Um entendimento contrariado pela resposta da Câmara ao JN.

Susana garante que o contrato "anterior a 1948" está em vigor e que continuam "a pagar a renda, todos os meses, por carta registada e com aviso de receção". Apesar de não ter havido mais nenhum contacto oficial com o senhorio, "a partir do momento em que a livraria entrou no programa de proteção das lojas históricas ", o JN sabe que os proprietários continuaram a ser pressionados para sair. Susana não comenta.

"Projeto obriga a desocupação"

A Sagrotel, que também é proprietária do "The Yeatman", em Gaia, reclama o espaço fundamentando que a execução "do projeto aprovado pela Câmara do Porto, relativo a obras de remodelação e restauro da unidade hoteleira, obriga à desocupação total da livraria".

Ao JN, a empresa não respondeu se vai avançar com uma ação de despejo. Contudo, indicou que procedeu à denúncia do contrato "após várias tentativas de negociação" e "antes de a livraria ter sido considerada loja histórica". Acrescenta que "tem tido, ao longo de todo o processo, uma profunda preocupação e respeito pelo património e por todas as entidades envolvidas". "Temos sido totalmente abertos e cooperantes com todos os inquilinos, procurando sempre alcançar a melhor solução para todos", conclui.

Leia a nossa Edição Impressa ou tenha acesso a todo o conteúdo no seu computador, tablet ou smartphone assinando a versão digital aqui

ver mais vídeos