Polémica

Escola do Porto questiona alunos sobre a sua orientação sexual

Escola do Porto questiona alunos sobre a sua orientação sexual

A Escola Francisco Torrinha, no Porto, pediu aos alunos para responderem a "uma ficha sociodemográfica", na qual são questionados sobre a sua orientação sexual.

O caso foi denunciado nas redes sociais, onde é divulgada a imagem de um inquérito feito a um estudante de 9 anos, inscrito no 5.º ano de escolaridade.

"Namoras atualmente", "já namoraste anteriormente?" e "sinto-me atraído por: homens, mulheres ou ambos" são algumas das perguntas que contam na ficha. No documento, é ainda pedido aos alunos que indiquem a sua idade, nacionalidade e género.

O JN contactou a Escola Francisco Torrinha que optou por não prestar declarações sobre o assunto.

O CDS Porto, em comunicado, considerou que "este caso é de uma gravidade extrema, e que a escola pública não pode nem deve ser um laboratório para experimentalismos sociais, tento mais quando estão em causa crianças de tenra idade", afirmando que houve uma "clara violação das normas legais sobre a proteção de dados".

Numa pergunta dirigida ao Ministério da Educação, entregue na Assembleia da República, o grupo parlamentar do CDS questiona o ministro da tutela sobre a "ficha sociodemográfica que está a ser distribuída na escola Francisco Torrinha" a questionar os estudantes sobre se se sentem "atraídos por homens, mulher ou ambos".

O CDS questiona ainda o ME sobre em que "anos letivos" está o documento a ser entregue e se "há fichas idênticas a serem distribuídas a alunos de outros estabelecimentos de ensino".

O partido já pediu uma já pediu ao agrupamento de escolas uma reunião de emergência.

O Ministério da Educação disse, esta quarta-feira, que "não conhecia o inquérito em questão". "Sabe-se, para já, que é um caso isolado. O ME está a apurar informação junto do estabelecimento escolar em causa", lê-se na resposta da tutela à Lusa.