Porto

Mercado Temporário do Bolhão abre a 2 de maio

Mercado Temporário do Bolhão abre a 2 de maio

O Mercado Temporário do Bolhão, no centro comercial La Vie, no Porto, abre a 2 de maio, depois de os comerciantes serem para lá transferidos nos últimos dias de abril, anunciou a autarquia esta segunda-feira.

A transferência dos comerciantes que optaram por continuar a exercer a sua atividade no espaço temporário, criado pela Câmara Municipal do Porto, deverá ocorrer nos dias 28, 29 e 30 de abril, referiu, em comunicado.

Esta mudança será acompanhada de uma "forte campanha de comunicação e marketing" para ajudar a referenciar o novo local que dispõe de "modernas instalações", salientou.

O restauro do Mercado do Bolhão, que vai durar cerca de dois anos, foi adjudicado em novembro por 22,4 milhões de euros, tendo na altura a câmara indicado que a empreitada, submetida a novo financiamento comunitário, começaria no início de 2018.

"O projeto de restauro e modernização prevê o regresso dos comerciantes ao antigo edifício dentro de dois anos, permanecendo como mercado público de frescos, mantendo todas as suas características e tradição", indicou ainda o município.

Segundo a autarquia, a "maioria" dos comerciantes acordou com a câmara a sua continuidade e "poucos" decidiram terminar a sua atividade e receber uma indemnização.

A Câmara do Porto aprovou em 21 de dezembro, por unanimidade, os acordos a celebrar com os comerciantes devido à reabilitação do edifício e despesas de 5,6 milhões de euros para compensações e eventuais perdas de faturação.

Na reunião camarária pública então efetuada, a administradora da empresa municipal Go Porto Cátia Meirinhos indicou que 84% dos comerciantes do mercado (100 dos atuais 140, contabilizando as bancas interiores e as lojas exteriores) querem regressar ao Bolhão quando estiver concluída a empreitada.

A Câmara do Porto assinala, no comunicado divulgado hoje, que "há cerca de 40 anos que o Porto pedia obras no mercado que foi conhecendo diversos projetos de intervenção, nem sempre bem aceites por comerciantes e pela opinião pública".

Isto, "até que, em 2015, Rui Moreira apresentou o seu projeto de restauro do edifício, criando o Gabinete do Mercado do Bolhão, que fez não apenas um extenso estudo socioeconómico junto dos comerciantes e famílias como desenvolveu um trabalho diário que culminou com uma grande adesão ao projeto", descreve a autarquia.

Em novembro, a Câmara do Porto revelou ter apresentado uma "segunda candidatura a fundos comunitários" para "o investimento de 7.406.647,06 euros" na reabilitação do Bolhão.

O município pretende juntar este financiamento a uma primeira candidatura, já aprovada, que "resultou na comparticipação comunitária de 1.566.263,27 euros (de um investimento elegível de 1.842.662,67 euros)".

A câmara recorda que as "mais recentes decisões" sobre o mercado foram apreciadas na Assembleia Municipal do Porto e votadas por unanimidade e com elogios da oposição, sublinhando que "as obras que a cidade pensava nunca ocorrerem vão, finalmente, ter lugar".