Porto

No Pavilhão da Água do Porto é possível fazer chover

No Pavilhão da Água do Porto é possível fazer chover

O Pavilhão da Água no Parque da Cidade do Porto reabriu ao público na manhã deste sábado. Depois de um investimento de 745 mil euros, o espaço foi renovado e apresenta atividades mais interativas para os mais pequenos. E até se pode fazer chover.

Desde a explicação do ciclo da água até ao funcionamento das barragens e dos tsunamis, no Pavilhão da Água até é possível fazer chover. Numa caixa de areia criam-se planícies, vales e montanhas com as mãos, da mesma forma que se constroem castelos na areia da praia. Depois de criada a paisagem, elevam-se as mãos como se fossem nuvens e, com os dedos bem abertos, um efeito luminoso transmite o efeito da chuva.

O cenário pode ser alterado as vezes que se quiser. Como? Quando se faz um monte de areia, a tecnologia do dispositivo assume que se trata de uma montanha e atribui-lhe uma cor alaranjada. Se, pelo contrário, pegarmos numa pá para escavar a areia, a cor que vai aparecer é azul, como se se tratasse do mar ou de um rio. O verde, por sua vez, significa que construímos um vale ou uma planície.

Das muitas novidades, destaca-se ainda a Sala Imersiva, onde se faz uma viagem desde a montanha até ao mar e é possível compreender a importância da água e as alterações climáticas no mundo.

"Poupem água!"

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, acompanhou o presidente da Câmara do Porto na inauguração do espaço, na sexta-feira. A mensagem que deixou foi: "Poupem água". Matos Fernandes afirmou que não vai haver mais água e, por isso, temos mesmo que a saber poupar. É no sentido da pedagogia que o Pavilhão da Água é tão importante.

A entrada é gratuita para crianças até aos 4 anos. Dos 4 aos 12 anos o bilhete custa 5 euros e os adultos pagam 8.