Autarquia

Vila Nova de Gaia vai aderir à Fundação de Serralves

Vila Nova de Gaia vai aderir à Fundação de Serralves

A câmara de Vila Nova de Gaia vai aderir à Fundação de Serralves, revelou esta segunda-feira o presidente da autarquia, Eduardo Vítor Rodrigues.

O investimento municipal será de cerca de 100 mil euros, mas o autarca de Gaia, distrito do Porto, valorizou a adesão pelo "significado e importância" que acredita que terá para o concelho.

Já numa apresentação distribuída aos jornalistas lê-se que se pretende "uma articulação institucional a diversos níveis, nomeadamente nos projetos socioeducativos e no acompanhamento e apoio técnico ao projeto municipal do Museu da Cidade, a localizar nos terrenos da antiga Fábrica Cerâmica das Devesas".

A adesão à Fundação de Serralves é um dos pontos do eixo "Criar" que faz parte da revisão orçamental hoje apresentada por Gaia e que foi aprovada em reunião de câmara com os votos favoráveis da maioria PS e a abstenção do PSD.

O documento inclui investimentos em várias áreas no valor total de 54 milhões de euros, sendo que os projetos são para lançar, garantiu Eduardo Vítor Rodrigues, ao longo do primeiro semestre deste ano.

No total, o eixo "Criar" tem 15,2 milhões de euros inscritos, o que inclui a construção ou requalificação de quatro auditórios, entre outros projetos.

O Auditório da Assembleia Municipal vai sofrer uma reabilitação integral para o tornar, refere a descrição distribuída, "um espaço polivalente, cultural e de conferências". O projeto custa 750 mil euros.

Somam-se auditórios em Canelas e Lever, o primeiro orçado em um milhão e o segundo em 900 mil euros.

Já a obra de reabilitação, que inclui reforço da infraestrutura e atualizando o espólio, da Biblioteca Municipal custa 1,2 milhões de euros.

A "reabilitação profunda" do Cine-Teatro Municipal Almeida e Sousa, localizado em Avintes, localidade à qual Eduardo Vítor Rodrigues se referiu como "a capital do teatro amador", custará 750 mil euros.

Gaia vai ter ainda um pavilhão multiusos na zona dos Arcos do Sardão, um projeto que custa cerca de 2,5 milhões de euros e que visa albergar concertos para 2.000 pessoas, funcionando também como escola de formação desportiva.

"É um equipamento que faz muita falta a Gaia. O projeto está pronto a ser lançado", afirmou o autarca.

Além deste pavilhão, a câmara de Gaia destacou hoje a construção já em curso do novo pavilhão de Canidelo que custa 1,4 milhões de euros, mesmo valor do pavilhão de Vilar do Paraíso.

Eduardo Vítor Rodrigues incluiu nesta revisão orçamental dois pavilhões escolares que juntos custam 2,8 milhões de euros.

Em causa equipamentos para a EB 2/3 de Olival e para a EB 2/3 de Santa Marinha, nas quais, disse hoje o presidente da câmara de Gaia "atualmente se está a praticar educação física no mesmo espaço onde são servidas refeições".

O capítulo de projetos na área desportiva conta ainda com a requalificação integral da piscina Municipal de Maravedi, no valor de 1,2 milhões de euros.

Por fim, outro dos investimentos anunciados nesta área é o Posto Náutico para remo e canoagem no valor de meio milhão de euros.

Trata-se da construção do novo posto náutico do rio Douro, junto ao Areinho de Oliveira do Douro, em parceria com a Universidade do Porto e o Centro de Desporto da Universidade do Porto (CDUP).

O objetivo é dinamizar os desportos de rio, mas Eduardo Vítor Rodrigues acrescentou que desta forma fica reposta uma "situação antiga com o CDUP que foi desalojado em Gaia aquando das obras da POLIS".

Segundo o autarca estas obras são agora possíveis porque vai ser incorporado no valor de orçamento para este ano mais 20 milhões de euros, fruto "de poupança feita em 2018".

"No ano passado pedi contenção. O município tinha entrado no verde, mas estava no verde clarinho. A gestão de 2018 foi totalmente assente em podermos hoje ser ambiciosos", disse o presidente da câmara.