O Jogo ao Vivo

Habitação

Israelitas investem 10 milhões de euros numa unidade pioneira para seniores no Porto

Israelitas investem 10 milhões de euros numa unidade pioneira para seniores no Porto

Duas residências seculares e um antigo bairro operário do Porto vão transformar-se em 2021 na primeira unidade mundial "co-living" Willa, uma nova empresa israelita para habitação de luxo, com espaços partilhados, para combater a solidão dos seniores.

"A Willa quer dedicar-se à geração dos 'empty nester' (ninhos vazios), ou seja, quer agarrar a fatia da população com idades entre os 55 e os 75 anos, cujos filhos já deverão ter saído da residência, e propor-lhes uma alternativa no coração da cidade, com um novo modo de vida ou mesmo uma segunda vida", explicou à agência Lusa Afonso Oliveira, um dos porta-vozes da empresa em Portugal.

O projeto de habitação de luxo em condomínio, com espaços comuns para partilhar entre os condóminos, tem um investimento total superior a 10 milhões de euros e está a ser edificado na Baixa do Porto a primeira unidade com um conceito de vida comunitária, em que está previsto construir 39 apartamentos, designadamente T0, T1 e T2.

O objetivo é inserir os condóminos de meia-idade no centro da cidade e levar os habitantes locais a participar também no conceito 'co-living', usufruindo dos espaços comuns que o projeto vai ter como um restaurante aberto à comunidade.

A entreajuda, a partilha de experiências e o combate à solidão são outras missões do projeto, avança Afonso Oliveira.

Acabar com a solidão das pessoas de meia-idade em tempos de coronavírus é o objetivo da Willa, defendeu Asaf Engel, cofundador da marca e diretor executivo da empresa, numa entrevista dada esta sexta-feira ao jornal israelita Israel 21 C, onde assume que antes da covid-19, a "maior epidemia do mundo era a solidão".

A primeira unidade vai estar localizada na Rua Bonjardim, junto à estação de Metro da Trindade e à Avenida dos Aliados.

PUB

A obra, com licença camarária obtida em finais de 2019, está a decorrer em "grande ritmo" e deverá estar terminada em "outubro ou novembro do próximo ano de 2021", se não houver contratempos devido à covid-19, estimam os investidores israelitas.

A obra, com 3.200 metros quadrados de construção, vai respeitar as "qualidades faciais, morfologia, volumetrias dos edifícios do século XIX", porque a ideia foi "pegar nos edifícios e no bairro operário do início do século XX e trazer o edificado para o século XXI, exacerbando as suas qualidades", refere Afonso Oliveira.

"Vão ser apartamentos de contratos de arrendamento de um ano, e haverá alguns apartamentos para períodos menores, de três a seis meses. Está projetado um restaurante, um espaço para aulas de yoga e pilates aberto também à comunidade, um espaço 'lounge' com cozinha e sala multiúsos com terraço no piso superior, e pátios interiores para uso exclusivo dos habitantes", descreveu Afonso Oliveira.

A opção pelo Porto deve-se em parte à sua "fervilhante comunidade de expatriados de toda a Europa e também ao facto de o conjunto em causa, constituído por dois prédios e um bairro operário nas suas traseiras, ter todas as condições para se assumir como um projeto-bandeira da startup pelas suas qualidades espaciais e históricas únicas", explicaram à Lusa os parceiros locais da Willa, Bárbara Costa e Afonso Oliveira.

A cidade do Porto vai ser a "bandeira" da primeira unidade com conceito vida comunitária Willa no mundo, mas a 'startup' pretende expandir-se na Europa estando à procura de espaços em Barcelona (Espanha), Berlim (Alemanha) e Londres (Reino Unido), destaca Afonso Oliveira.

Um dos requisitos para a expansão do negócio de vida em comum é encontrar propriedades no "centro das cidades, junto aos equipamentos culturais, comércio, transportes públicos e proporcionar aos condóminos a possibilidade de viver num condomínio sofisticado, com zonas comuns que possibilitem a convivência com a população local.

A Organização Mundial da Saúde estima que em 2050, dos 9 biliões de pessoas a viver no planeta, 22% terão 60 ou mais anos (por comparação com os 12% de 2015).

Outras Notícias