Campanhã

Lançado concurso de 1,8 ME para construção do Parque da Alameda de Cartes no Porto

Lançado concurso de 1,8 ME para construção do Parque da Alameda de Cartes no Porto

A Câmara do Porto lançou hoje o concurso público para a construção do Parque da Alameda de Cartes, em Campanhã, que, com um preço base de 1,8 milhões de euros, visa promover a qualificação e coesão do território.

Numa nota publicada na sua página oficial, a autarquia esclarece que o concurso público, lançado pela empresa municipal GO Porto, visa conectar "vários pontos estratégicos, respondendo aos apelos das populações e promovendo a qualificação e coesão do território através de soluções inspiradas na natureza".

Com um valor base de 1.854.646,02 euros e um prazo estimado de um ano, o concurso contempla uma área localizada na interface dos bairros do Falcão, Cerco e Lagarteiro, com ligação ao Parque Oriental.

Os concorrentes têm até ao dia 4 de agosto para apresentar propostas.

"Com este projeto será possível deixar de ter troços informais utilizados pela comunidade, contrariando as adversidades dos declives existentes e encontrando as melhores soluções para a fragmentação que as infraestruturas viárias impõem", observa o município, destacando que o acesso a parques, equipamentos e serviços "será facilitado".

O parque da Alameda de Cartes, localizado na freguesia de Campanhã, permitirá assim criar uma "maior coesão funcional e espacial da malha urbana", ligando tanto os bairros a "pontos estratégicos" da cidade, como a projetos como o Terminal Intermodal, a praça da Corujeira ou o antigo Matadouro.

A Câmara do Porto constituiu, inicialmente, um grupo de trabalho que contou com a participação da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), da Universidade de Coimbra (UC), da Give U Design and Art (GUDA), do Centro de Estudos Sociais (CES) e da empresa municipal Domus Social.

PUB

O desenvolvimento do projeto foi, posteriormente, gerido e coordenado pela empresa GO Porto, tendo também envolvido o departamento municipal de Planeamento e Gestão Ambiental, a Domus Social, o CIBIO e o departamento de arquitetura da UC.

Já o desenvolvimento dos projetos de especialidades foi levado a cabo pela Sociedade de Prestação de Serviços de Engenharia Civil, S.A. (SOPSEC).

O projeto, desenvolvido no âmbito do URBiNAT, conta com o financiamento europeu do programa Horizonte 2020.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG