Mobilidade

Linha Rosa e prolongamento da Linha Amarela do metro do Porto já podem avançar

Linha Rosa e prolongamento da Linha Amarela do metro do Porto já podem avançar

O Tribunal de Contas emitiu esta quarta-feira o visto prévio necessário para o arranque das duas novas obras de expansão do metro do Porto: Linha Rosa e prolongamento da Linha Amarela.

O lançamento da primeira pedra das duas obras estava há mais de três meses dependente da luz verde do Tribunal de Contas, que foi emitido esta quarta-feira. Os trabalhos já podem avançar e, de acordo com a Metro do Porto, deverão iniciar-se ainda este mês.

Se assim for, e caso não haja imprevistos no decurso dos trabalhos, a Linha Rosa poderá ficar pronta em setembro de 2023 (a obra tem uma duração de dois anos e meio). Já a Linha Amarela, cujos trabalhos deverão prolongar-se por dois anos, ficará concluída em março do mesmo ano. Ambas as empreitadas são financiadas por fundos europeus, que permanecem válidos até ao final de 2023.

Caso os trabalhos se prolonguem além dessa data, deverá ser o Estado a assumir a fatura.

Para Tiago Braga, presidente do Conselho de Administração da Metro do Porto, foi "um dia de alegria e de festa", mas a empresa está já "a arregaçar as mangas". "O nosso trabalho começa já", reforçou. Homologados os contratos, a empresa passará agora à sua consignação.

A nova Linha Rosa terá três quilómetros de extensão e será subterrânea. Terá três novas estações, desde S. Bento até à Casa da Música, ligando o Hospital de Santo António à rede. Vai custar 189 milhões de euros.

O prolongamento da Linha Amarela custará 98,9 milhões de euros. O traçado, de três quilómetros, vai prolongar-se de Santo Ovídio até Vila d'Este, em Gaia. Vai servir o Hospital Santos Silva e os mais de 10 mil moradores da Urbanização de Vila d'Este.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG