Exclusivo

Mais de metade do trabalho dos Sapadores não é apagar fogos

Mais de metade do trabalho dos Sapadores não é apagar fogos

Bombeiros saem do quartel na maior parte dos casos para limpar vias, abrir portas, desencravar elevadores e resgatar animais.

Das 3939 ocorrências registadas no ano passado pelo Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto, 2265 prenderam-se com a limpeza da via pública, abertura de portas, desencravar elevadores e o resgate de animais, solicitação cada vez mais comum na cidade do Porto. O combate ao fogo é o mais associado aos bombeiros, mas essa é apenas uma pequena parte de um conjunto muito mais vasto de ações menos conhecidas e que constituem o motivo da maior parte das saídas dos quartéis.

"Em termos operacionais os casos mais complicados continuam a ser os incêndios urbanos e são essas ocorrências que nos levam a ter mais meios no terreno. Mas depois há um outro conjunto de situações mais pequenas, mas também elas importantes e com as quais lidamos com o mesmo interesse e profissionalismo", especifica Carlos Marques, comandante dos Sapadores do Porto.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG