Área Metropolitana do Porto

Marginais, jardins e passadiços fechados para evitar aglomerações

Marginais, jardins e passadiços fechados para evitar aglomerações

Para evitar ajuntamentos e conter a propagação da covid-19, as Autarquias da Área Metropolitana do Porto decidiram vedar o acesso a marginais, parques infantis, jardins e passadiços. Há ainda cemitérios encerrados.

Porto

No "combate à disseminação do novo coronavírus", a partir desta quarta-feira, a Câmara do Porto decidiu encerrar os parques municipais e parques infantis, vedando-os com fita e colocando painéis de interdição nos locais. No "naipe de medidas" para conter a propagação do vírus, consta ainda o fecho dos cemitérios, salvo para a realização de cerimónias fúnebres.

De acordo com a Autarquia, durante a madrugada desta quarta-feira, a Proteção Civil Municipal fechou os portões de "todos os espaços verdes murados da cidade", nomeadamente o Jardim das Virtudes, o Jardim de São Lázaro, o Jardim de São Roque, o Jardim do Covelo, a Quinta de Bonjóia, os Jardins do Palácio de Cristal e o Parque da Pasteleira.

Quanto aos jardins e praças, "a Autarquia vai colocar barreiras de mitigação, com painéis de sensibilização que elucidem os cidadãos de que não é permitida a sua permanência no interior". A medida estende-se às marginais e passeios mais movimentados, assim como ao Parque da Cidade e ao Parque Oriental. O mobiliário urbano e as casas de banho municipais serão igualmente vedadas.

À semelhança do que aconteceu durante o primeiro confinamento, os carros da Polícia Municipal voltam a circular pelas ruas para apelar ao recolhimento no lar.

PUB

Gaia

Do outro lado do rio Douro, em Gaia, foi reforçado o policiamento para impedir a circulação de pessoas nas marginais. Estão também fechados os jardins públicos, passadiços, parques infantis e campos de jogos. Segundo a Autarquia, esta quarta-feira, fica pronta a sinalética para colocar nos locais cuja circulação está interdita.

Matosinhos

As marginas de Matosinhos estão encerradas para evitar a concentração de pessoas no espaço público. Além das marginais, também serão vedados bancos de jardim e outros equipamentos semelhantes. A presidente da Câmara de Matosinhos, Luísa Salgueiro, já justificou a decisão: "Estamos a seguir as orientações do governo. É urgente diminuir as deslocações e os contactos e as marginais são locais muito apetecíveis. O apelo que faço, nesta fase tão difícil que estamos a atravessar, é que, todos os que possam, fiquem em casa. Só conseguiremos travar estes números assustadores se nos comportamos de forma responsável e consciente".

Segundo a Autarquia, a situação está a ser "avaliada em permanência" e "a qualquer momento as medidas podem ser alargadas".

Valongo

A Autarquia está a investir em campanhas de sinalização, pedindo aos cidadãos que fiquem em casa sempre que possível e cumpram todas as regras de saúde pública.

"A Proteção Civil está obviamente a cumprir e tentar fazer com que a população cumpra todas as interdições em vigor, sinalizando com fitas e barreiras a interdição dos equipamentos públicos de lazer e desporto", adiantou a Autarquia numa resposta enviada ao JN, sublinhando ainda que os parques infantis já estavam interditos "mesmo do agravamento da pandemia e da entrada em vigor da mais recente legislação do estado de emergência".

Gondomar

Em Gondomar, a Câmara mandou encerrar os passadiços de Gramido e Rio Tinto. Mantêm-se fechados também os restantes equipamentos desportivos, parques infantis e os sanitários públicos. Por tempo indeterminado, estão ainda fechadas as casas da juventude, a Biblioteca Municipal Camilo de Oliveira, a Casa Branca de Gramido, a Loja Interativa de Turismo de Gondomar, o Centro Cultural de Rio Tinto Amália Rodrigues e o Centro de Educação Ambiental da Quinta do Passal, ficando cancelada a aula comunitária gratuita para cães e demais eventos.

Foi, ainda, dada liberdade às Juntas de Freguesia do concelho para encerrarem todos os espaços que assim o entendam.

Maia

Na Maia, os jardins e os parques vão manter-se abertos apenas como zona de passagem, estando proibida a utilização de bancos e equipamentos similares. É ainda proibido circular no Ecocaminho e no Skate Parque, bem como utilizar parques infantis e ginásios ao ar livre.

Para garantir o cumprimento das medidas, a Autarquia colocou equipas no terreno. Ainda assim, admite encerrar os espaços caso as regras não sejam respeitadas. "A Câmara Municipal apela ao civismo dos maiatos neste momento difícil", lê-se numa nota enviada ao JN.

Póvoa de Varzim

Face às últimas determinações do Governo, na Póvoa de Varzim foi vedado o acesso a espaços lúdicos, marginais e passadiços, bem como encerrados os parques de estacionamento que dão apoio e acesso a essas zonas. Estão igualmente fechados os parques infantis e o Parque da Cidade.

"O Município articulou este processo com a PSP e a GNR, para que se reforce a fiscalização do cumprimento destas normas e também para controlarem as entradas da cidade, nomeadamente aos fins de semana, em que é proibida a circulação entre concelhos", adiantou a Autarquia.

Vila do Conde

Em Vila do Conde, foi determinado o encerramento da marginal, bem como dos passadiços, parques, jardins e casas de banho públicas. Está também vedado o acesso ao Parque João Paulo II.

Quanto à fiscalização, a Autarquia irá reforçar o policiamento em todo o concelho com o apoio da PSP, GNR e Polícia Municipal.

Espinho

Com oito quilómetros de frente marítima, Espinho vai encerrar as marginais, passadiços e equipamentos desportivos ao ar livre. No entanto, a Autarquia diz não ter "meios para proceder à vigilância e fiscalização", apelando ao reforço de elementos das forças de segurança.

Paredes

Em Paredes, a Polícia Municipal vai intensificar a fiscalização ao fim de semana para evitar ajuntamentos. A Autarquia acrescenta que os parques infantis e os equipamentos de lazer estão encerrados desde março, aquando do primeiro confinamento.

Santo Tirso

Tendo em conta o agravamento da situação pandémica, a Câmara de Santo Tirso mantém encerrados os equipamentos municipais de âmbito cultural e desportivo, assim como parques infantis, Skate Park e espaços de exercício físico ao ar livre.

Além disso, por tempo indeterminado, estão encerrados os cemitérios do concelho. Abrirão, excecionalmente, para a realização de cerimónias fúnebres, mas só será permitida a presença de 15 pessoas.

S. João da Madeira

Após uma reunião de urgência com a Subcomissão de Proteção Civil Municipal, a Câmara de S. João da Madeira decidiu encerrar os cemitérios e casas mortuárias, salvo para realização de cerimónias fúnebres. O acesso a jardins, parques e instalações desportivas municipais também estão vedados. As restrições mantêm-se até ao dia 30 de janeiro.

Arouca

Esta semana, a Autarquia vai encerrar o polidesportivo municipal da zona histórica e o polidesportivo Óscar Silva. Já o parque municipal, o parque Milénio e o parque Ribeiro de Gondim vão manter-se apenas como locais de passagem. Fechados mantêm-se ainda os parques infantis.

"No que respeita à fiscalização, serão mobilizadas as equipas de proteção civil, que já se encontram no terreno a sensibilizar a população para o cumprimento das regras. Quando necessário, será feita a devida articulação com a GNR", adiantou a Câmara de Arouca.

Oliveira de Azeméis

Em Oliveira de Azeméis foi vedado o acesso a equipamentos e espaços públicos de lazer. O acesso automóvel ao parque de La Salette, local procurado por muitas famílias para passear, também está interdito.

Vale de Cambra

Está interdito o acesso a campos de jogos, a aparelhos de manutenção, ao parque infantil, ao parque da cidade e à praia fluvial. Foram fechadas ainda as piscinas, bibliotecas, museu municipal, centro cultural de Macieira de Cambra e loja Interativa do turismo.

A utilização de bancos de jardim e de praças públicas também está proibida.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG