Teste

Metro do Porto com duas novas composições com mais capacidade

Metro do Porto com duas novas composições com mais capacidade

A Metro do Porto, que este ano transportou 70 milhões de clientes, disponibiliza a partir de 06 de janeiro duas composições com bancos longitudinais para acomodar "mais gente, com mais conforto" e "menos tempo de paragem".

"Trata-se de um projeto-piloto que estamos a desenvolver em colaboração com a ESAD [Escola Superior de Artes e Design]. Teoricamente, a nova configuração destas duas composições permite aumentar quatro lugares, mas o mais importante é a maior capacidade de acomodação, a maior fluidez e menos tempo de paragem, que é importante para a operação", disse Tiago Braga, presidente do Conselho de Administração da Metro do Porto, na cerimónia que assinalou os 70 milhões de clientes da empresa em 2019.

Com um crescimento de 13% de clientes desde abril, com a entrada em vigor do PART -- Programa de Apoio à Redução Tarifária, a empresa vai ainda arrancar, em 2020, com o projeto para alterar o término da linha Amarela no Hospital de São João, com vista a aumentar de 11 para 16 o número de "veículos por hora em hora de ponta", acrescentou o responsável.

De acordo com Tiago Braga, a intenção é, no fim de 2002 ou início de 2021, fazer aquela obra, que é "relativamente simples".

Quanto aos dois veículos que entram ao serviço a 06 de janeiro, o presidente da Metro do Porto esclareceu que vão servir de teste, sendo intenção da empresa "fazer a alteração para toda a frota de Eurotram".

Isto se, no fim de janeiro, se constatar que os clientes ficaram satisfeitos com a mudança, observou.

"A mudança aumenta muita área disponível. Vamos ter mais capacidade de acomodar mais gente com mais conforto. Atualmente, quando nos dizem que há sobrelotação, essa perceção acontece quando o veículo tem uma ocupação de 80%, porque há ocupação incorreta do espaço disponível", descreveu.

Quanto às propostas para as empreitadas da nova linha Rosa, no Porto, e do prolongamento da Linha Amarela em Vila Nova de Gaia até Vila d' Este, o responsável disse esperar que sejam entregues até 18 de fevereiro, com a perspetiva de arrancar com as obras em junho de 2020 e, "até 2023, estar em condições para começar a operação comercial".

Na companhia do ministro do Ambiente, Tiago Braga destacou o número "absolutamente extraordinário" de transporte de 70 milhões de clientes "desde o início de 2019", no 17.º ano de operação da empresa.

"As melhores estimativas para o melhor cenário apontavam para 60 milhões. Estamos com 10 milhões a mais", frisou.

A empresa chinesa CRRC Tangsthan (chinesa) venceu o concurso para entregar 18 novas composições à Metro do Porto, por 49,6 milhões de euros, menos 6,5 milhões do que o valor base do procedimento.

O presidente da Metro do Porto, Tiago Braga, revelou à Lusa em outubro que, para responder ao aumento de seis milhões de passageiros de 2019, esperava "antecipar até ao fim de 2021" a contratação das composições, inicialmente previstas para as novas linhas do metro, que devem estar prontas em 2022/23.

Atualmente, a frota da Metro do Porto é constituída por 102 veículos: 72 do tipo Eurotram e 30 do tipo Tram-train.

O Metro do Porto opera em sete concelhos com uma rede de seis linhas, 67 quilómetros e 82 estações, utilizada por mais de 62 milhões de clientes por ano.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG