Travessia

Metro do Porto diz ter discutido "amplamente" nova ponte com câmaras de Porto e Gaia

Metro do Porto diz ter discutido "amplamente" nova ponte com câmaras de Porto e Gaia

O presidente da Metro do Porto, Tiago Braga, disse hoje ter feito "questão de abrir a decisão" do projeto da nova ponte sobre o Douro à comunidade e discutido "amplamente" a solução com os municípios do Porto e Gaia.

"A nova ponte sobre o Douro, em concreto, é um projeto no qual a Metro do Porto fez questão de abrir a decisão à comunidade, discutindo amplamente com as autarquias e com a universidade, e convidando para o júri do concurso a Ordem dos Arquitetos, a Ordem dos Engenheiros, alguns dos maiores especialistas internacionais neste tipo de obras de arte, bem como representantes das câmaras municipais do Porto e de Gaia", afirma Tiago Braga, numa resposta enviada à Lusa a propósito das considerações feitas pelo presidente da Câmara do Porto sobre a travessia que servirá a nova linha Rubi.

Durante a sessão de segunda-feira à noite da Assembleia Municipal do Porto, o presidente da Câmara, Rui Moreira, disse ter dúvidas se a construção da nova ponte do metro, entre Gaia e o Porto e no âmbito do projeto da linha Rubi, "é necessária".

PUB

"Não era ali que eu fazia a ponte, não fazia a ponte com aquela altura e tenho dúvidas se a ponte é necessária", afirmou o autarca independente, em resposta às considerações feitas pelo eleito da CDU Rui Sá de que no Porto "se brinca às pontes".

Na resposta, o presidente da Metro do Porto lembra que a decisão quanto ao projeto da nova ponte foi "tomada por unanimidade dos membros do júri do concurso".

Tiago Braga adianta que o Estudo de Impacto Ambiental da linha Rubi, que inclui a ponte, foi apresentado à Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e "entrará brevemente em fase de discussão pública".

"Não colocando em causa o conceito, objetivo e princípios associados à solução vencedora do concurso púbico internacional, que reuniu o número impressionante de 28 propostas distintas, a Metro do Porto continua a trabalhar, pois é sensível e atenta às sugestões, preocupações e dúvidas que naturalmente uma infraestrutura desta dimensão, até na relação emocional ao território, suscita, no sentido de sublimar os aspetos diferenciadores que a solução aporta, mas também responder aos desafios, nomeadamente na sua interação com o contexto", acrescenta.

O presidente da Metro do Porto adianta ainda que, "convicto da importância nuclear" da linha Rubi, espera ter condições para lançar até ao final deste ano o concurso público internacional para a empreitada da nova linha, na qual se inclui a ponte sobre o rio Douro.

"Trata-se do mais importante e, de longe, maior investimento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) no Norte de Portugal", destaca Tiago Braga.

A construção da nova ponte sobre o rio Douro, cujo projeto de conceção foi adjudicado a 03 de março ao consórcio liderado pelo Laboratório Edgar Cardoso, deverá arrancar na "primeira metade do próximo ano".

A ponte permitirá a travessia do metro entre o Campo Alegre, no Porto, e o Candal, em Vila Nova de Gaia, "parte obrigatória" da linha Rubi que está orçada em 300 milhões de euros mais IVA e ligará as estações Casa da Música a Santo Ovídio.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG