Porto

Nova ala pediátrica do Hospital S. João abre no último trimestre do ano

Nova ala pediátrica do Hospital S. João abre no último trimestre do ano

Novas instalações terão enfermarias para 100 doentes e um bloco cirúrgio dedicado à unidade de quimados. Bispo auxiliar de Lisboa visitou esta sexta-feira a obra.

A nova ala pediátrica do Hospital de S. João, no Porto, abre no último trimestre deste ano. "No próximo Natal, a unidade estará a funcionar em pleno", assegurou Fernando Araújo, presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar, numa visita esta sexta-feira à obra, que decorreu na companhia de Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa.

"Após 12 anos em que a pediatria funcionou em contentores em condições menos adequadas" - situação, aliás, denunciada pelo JN - Fernando Araújo enumerou, orgulhoso, que a nova unidade vai ter "enfermarias para cerca de 100 doentes, três blocos cirúrgicos, um dos quais totalmente dedicado à unidade de queimados, uma unidade de cuidados intensivos neonatais , um serviço de oncologia pediátrica e uma área dedicada à trauma e à neurocirurgia, com os melhores padrões do ponto de vista técnico".

Maria João Batista, diretora clínica do centro hospitalar, não tem dúvidas que as novas instalações da pediatria vão melhorar "aquilo que é a capacidade, de uma forma muito mais fácil, de rentabilizarmos o trabalho e, sobretudo, melhoram drasticamente aquilo que vão ser as condições em que os utentes vão ser tratados".

Para a diretora clínica "ver crescer este projeto é, sem dúvida alguma, uma imensa vitória para todas as pessoas que aqui trabalham, mas, sobretudo, para a comunidade da região do Porto e do Norte".

De acordo com Fernando Araújo, nesta fase está a ser preparado o lançamento do concurso para aquisição de equipamentos, como ventiladores, sendo um processo que deverá estar concluído em junho.

O mesmo responsável disse ainda que o pessoal atuamente ao serviço no hospital "é suficiente" para garantir o funcionamento da nova ala pediátrica, explicando que "mais do que aumentar a capacidade da unidade hospitalar, o importante é dar melhores condições aos doentes".

Já Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa, descreveu que esta foi "uma visita de coração, de afeto, de amizade, de alguém que desde do início não quis que esta prioridade saísse do "prime time". E acrescentou: "É bonito fazer esta visita no contexto dos Reis, da epifania, da esperança. O nosso objetivo foi provocar uma explosão de esperança para que possamos acreditar que este 2021 vai ter muitas coisas boas. Vou continuar a rezar para que tudo corra bem".

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG