Porto

Novas supressões de comboios marcam manhã de São João

Novas supressões de comboios marcam manhã de São João

As supressões de comboios nos serviços urbanos do Porto voltaram esta manhã a fazer-se sentir, mas não na totalidade, na sequência da greve de quinta-feira do sindicato dos revisores e da paralisação convocada para esta sexta-feira pela Fectrans.

De acordo com dados adiantados pela CP - Comboios de Portugal à agência Lusa, das 0 horas às 8 horas desta sexta-feira, dia de São João, foram realizados 14 dos 26 comboios previstos no serviço urbano do Porto.

A CP - Comboios de Portugal tinha estimado, na quarta-feira, que os comboios urbanos do Porto, Coimbra e o Celta não se realizariam na quinta-feira, véspera de São João, devido a greve.

PUB

A empresa tinha também advertido "para o período entre as 0 horas do dia 23 e as 7 horas do dia 24 de junho", podendo "ocorrer perturbações muito significativas no dia 23 de junho, com forte impacto nos dias anterior e seguinte, em todos os serviços com origem e/ou destino no Norte de Portugal, Coimbra e Linha do Oeste".

Para a manhã de hoje, convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF), da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), foram decretados serviços mínimos pelo Tribunal Arbitral do Conselho Económico e Social, segundo informação da transportadora, ao contrário do que aconteceu para a greve de quinta-feira, convocada pelo Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI).

O SFRCI confirmou que na quinta-feira estaria prevista a "supressão total" de todos os comboios urbanos do Porto e Coimbra devido à greve convocada por aquela estrutura, havendo também supressões no longo curso.

O sindicato contesta a "diferença de tratamento" e "falta de equidade" face aos trabalhadores da antiga Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF), que foi integrada na CP.

"Valorizaram alguns colegas desses entre 200, 300 e 400 euros e, no nosso caso, estamos a falar de aumentos de oito euros a 12 euros", alegou o sindicalista António Lemos, frisando não estar "contra valorizar e enquadrar" os colegas da EMEF.

A esta greve junta-se a paralisação do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF), da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), às horas extraordinárias, ao trabalho em dia feriado, ao trabalho em dia de descanso semanal, ao trabalho com falta de repouso nos termos do Acordo de Empresa e também a partir da oitava hora de serviço.

Na segunda-feira, Fectrans e o SNTSF ameaçaram avançar contra a CP em tribunal, falando em "discriminação" dos trabalhadores da antiga EMEF.

Segundo uma nota da federação sindical, "o que está em causa neste momento é o respeito pelos trabalhadores, que continuam a ver os seus salários desvalorizados e perante propostas de retirada de direitos, polivalências, para com menos trabalhadores conseguirem fazer o mesmo de hoje", acrescentando que o SNTSF/Fectrans, "sem prejuízo do anúncio de outras ações a anunciar a breve prazo, depois de efetuar nova ronda pelos locais de trabalho, mantém a greve ao trabalho extraordinário que foi prolongado até ao final de julho, nos mesmos moldes deste mês".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG