Mobilidade

Porto vai ter mais ruas pedonais e mais ciclovias

Porto vai ter mais ruas pedonais e mais ciclovias

A partir do dia 19 de junho, aos fins de semana, o Porto irá ter mais 14 arruamentos exclusivos para peões. Um plano evolutivo que pretende criar novas áreas pedonais temporárias para dar um novo impulso à cidade. A par desta transformação, irão ser criados, até ao fim do ano, mais 35 quilómetros de ciclovias.

No pós-pandemia é preciso retomar a normalidade. Para isso, a Câmara Municipal do Porto decidiu criar o "Plano para resgatar espaço público no Porto" que, admite Rui Moreira, "nos últimos 40 anos foi tomado pelo automóvel".

Assim, a partir do dia 19 de junho, das 8 horas de sábado às 20 horas de domingo, haverá três zonas da cidade com arruamentos cortados ao trânsito.

A Zona I com cortes ao trânsito em Cedofeita, na zona envolvente da rua das Galerias de Paris, na Rua do Almada e de Passos Manuel. A Zona II no Passeio das Virtudes e a Zona II na Rua dos Caldeireiros e Avenida Rodrigues de Freitas.

"A retoma do comércio tradicional é também muito importante. Tem de haver agora uma reaproximação entre o cidadão e o espaço que é de todos. Este é um mote para a cidade pensar em si própria".

A par da aposta no aumento de ciclovias, a partir da próxima segunda-feira, dia 1 de junho, as trotinetas e as bicicletas partilhadas vão chegar ao Porto.

"O Porto pretende dar um salto urgente no plano de ciclovias. O plano é ter 35 quilómetros de ciclovias e no fim do ano termos 54 quilómetros de percursos cicláveis", revelou Filipe Araújo, vereador do Pelouro da Inovação e Ambiente.

"Se isto correr bem, podemos mudar o perfil da cidade ao fim de semana. Queremos trazer turistas domésticos", afirmou Rui Moreira, presidente da câmara do Porto.