Divergência

PS manifesta "surpresa" por desvinculação de vereadora do Porto

PS manifesta "surpresa" por desvinculação de vereadora do Porto

A concelhia do PS do Porto manifestou, esta segunda-feira, "surpresa" e "estranheza" pela desvinculação da vereadora da Câmara do Porto Catarina Santos Cunha, que comunicou assumir o estatuto de independente por divergências com o líder concelhio.

​​​​​ Em comunicado, a concelhia do Porto do PS lamenta também a desvinculação da vereadora da Câmara Municipal do Porto Catarina Santos Cunha, que anunciou abandonar o grupo de vereadores socialistas pelo qual foi eleita em 26 de setembro e assumir o estatuto de independente por divergências com o líder concelhio, Tiago Barbosa Ribeiro.

"Após profunda ponderação decidi abandonar o grupo de vereadores do PS e manter a minha presença na Câmara Municipal do Porto como vereadora independente, podendo contribuir de forma construtiva e participativa para o futuro da minha cidade, o Porto", afirmou a vereadora, num comunicado enviado hoje à Lusa.

Afirmando ter tomado conhecimento da decisão esta manhã pela comunicação social, o PS/Porto manifestou "surpresa" e "estranheza" com a posição tomada.

"Não houve qualquer diálogo prévio que antecipasse esta decisão, nem tão pouco que a justifique: não existiram quaisquer divergências que sustentem esta decisão, e que, por isso, não são enunciadas no comunicado", afirma.

No comunicado, o partido refere que o processo de decisão de todos os sentidos de voto é feito de "forma participada por todos os eleitos" e que não existe a exclusão de nenhum órgão.

"As decisões resultam desse diálogo, do património de posições do PS no Porto e do programa que apresentámos a eleições", refere, acrescentando que, até ao momento, houve uma reunião de vereação na qual o PS e os seus eleitos votaram "de acordo com o valor das mesmas para o Porto e não de acordo com quem as propôs".

PUB

"Estranha-se a referência a uma oposição do contra quando o PS até agora não votou contra nenhuma proposta, e outras considerações que não têm qualquer adesão à realidade, nem ao histórico da sua participação nas reuniões camarárias, uma única até à data", acrescenta o PS, assegurando ainda que se irá manter "fiel" aos eleitores que confiaram o seu voto.

Catarina Santos Cunha, vereadora sem pelouro, foi um dos três vereadores eleitos nas autárquicas de setembro pelo PS, depois do movimento independente "Rui Moreira: Aqui Há Porto" obter 40,72% dos votos e eleger seis vereadores.

Por seu turno, o PSD elegeu dois e a CDU e o Bloco de Esquerda um cada.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG