Comunicado

PSD Porto recusa plano da TAP para aeroporto Francisco Sá Carneiro

PSD Porto recusa plano da TAP para aeroporto Francisco Sá Carneiro

A Comissão Política Distrital do PSD do Porto emitiu, este domingo, um comunicado, no qual manifesta a sua recusa em aceitar o plano da TAP para o aeroporto Francisco Sá Carneiro.

"O novo plano de rotas da TAP, agora conhecido, vem reforçar a posição do PSD do Porto relativamente aos anteriores planos que, também, já não eram favoráveis ao norte do País e confirmar o logro da retórica do Governo do Partido Socialista face à realidade dos factos, limitando-se a enganar a população e as empresas do Norte de Portugal", pode ler-se.

"Os factos demonstram que as diversas e consecutivas decisões da TAP têm desconsiderado o aeroporto Francisco Sá Carneiro e prejudicado o norte do País", prossegue o comunicado.

Depois é feito um enquadramento sobre a importância da aerogare: "O aeroporto Francisco Sá Carneiro é o maior aeroporto do noroeste peninsular e está sediado numa região, responsável por mais de 40% das exportações e por mais de 30% do PIB nacional, servindo mais de 5 milhões de pessoas, desde a região centro à Galiza".

"O plano de rotas, agora tornado público, é absolutamente atentatório do interesse nacional e lesivo da equidade e da relação custo/benefício de uma opção estratégica desta natureza, cavando ainda mais fundo o centralismo e discriminando de forma incompreensível as diferentes regiões do País", dá conta o PSD do Porto.

Na mesma linha, é acrescentado: "Seja por via da economia, com as nossas empresas a enfrentar mais custos e mais dificuldades nos seus negócios, seja por via do turismo que vê reduzida a rede de ligações a outras cidades europeias e mundiais. Seja, ainda, por terminar com a ligação direta de milhões de Portugueses emigrantes oriundos da zona norte do país, à sua terra natal".

PUB

O comunicado coloca em causa as opções tomadas e questiona as intenções: "O PSD do Porto não vê razão para estas decisões da administração da TAP. Várias outras empresas de aviação privadas têm manifestado interesse em aumentar a sua oferta de e para o Porto, motivo pelo qual, podemos perceber, não existe falta de procura ou de rentabilidade de negócio".

"Se a TAP não responde às necessidades e aos anseios dos aeroportos do País deixa de cumprir o seu papel de empresa nacional - companhia de bandeira - e passará a ter um papel meramente regional. E, isso, torna indefensáveis e injustos os sucessivos resgastes financeiros pagos pelos Portugueses à TAP. Os Portugueses não podem continuar a ser contribuintes líquidos de uma empresa de aviação que tem por missão servir apenas uma parte do País", consideram os sociais-democratas.

"Nesse sentido, a Distrital do PSD do Porto exige a imediata inflexão deste rumo e desta estratégia, reclamando uma solução de retoma, que incremente um plano de rotas e voos, de forma proporcional ao número de passageiros, a partir de todos os aeroportos nacionais. De outra forma, consideramos que deve ser reequacionada a posição do Estado Português na TAP", conclui o documento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG