Acidente

Operários feridos na queda de placa no Porto

Operários feridos na queda de placa no Porto

Dois operários da construção civil ficaram feridos, na sequência da queda de uma placa do primeiro piso de uma casa onde estavam a trabalhar, no Porto. Um terceiro homem saiu ileso do desabamento.

O acidente produziu-se ao início da tarde desta segunda-feira e gerou o alarme na Rua do Monte Alegre, uma artéria afluente de Serpa Pinto. Os três homens trabalhavam no primeiro andar de uma casa antiga, em reconstrução, quando foram surpreendidos pela queda da placa.

Segundo Carlos Marques, comandante do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto, "o mau estado de uma viga, antiga e deteriorada", terá estado na origem do abatimento.

Os três operários caíram de uma altura de cerca de três metros, até ao piso inferior de uma casa que em tempos foi um armazém de café e que está em obras de reconstrução.

Um dos trabalhadores, de 61 anos, foi apanhado pelos estilhaços da laje e contraiu ferimentos mais graves. Sofreu escoriações num braço. Foi imobilizado pelos socorristas do INEM e transportado ao Hospital de Santo António. O ferido ligeiro, de 60 anos, recebeu tratamentos no Hospital de S. João.

O terceiro operário, de 22 anos, saiu praticamente ileso do acidente. Foi assistido por uma equipa de psicólogos do INEM. Foi ele que acionou a intervenção dos Sapadores Bombeiros do Porto, que saíram para o socorro às 14.10 horas, dois minutos após o alerta.

PUB

Do Batalhão da Rua da Constituição ao local do desastre, quatro viaturas e 13 operacionais chegaram em pouco mais de um minuto. "A operação correu com relativa facilidade. Escorámos a laje para resgatar os trabalhadores e correu tudo bem", disse o comandante dos Sapadores do Porto.

A PSP também tomou conta da ocorrência. Uma equipa cinotécnica municipal também foi mobilizada, mas os cães não chegaram a entrar nos escombros, porque não havia soterrados, como se temeu inicialmente.

Concluída a intervenção de socorro, técnicos da Autoridade para as Condições do Trabalho foram inspecionar as circunstâncias em que ocorreu o acidente. A Proteção Civil também foi chamada para avaliar as condições de segurança da estrutura do imóvel.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG