Porto

Requalificação da Torre dos Clérigos com custo estimado em 2 milhões

Requalificação da Torre dos Clérigos com custo estimado em 2 milhões

O presidente da Irmandade dos Clérigos, Américo Aguiar, anunciou, esta quarta-feira, pretender requalificar a Torre dos Clérigos e a igreja anexa a partir de 2013, numa empreitada cujo investimento rondará os dois milhões de euros.

Considerada como um símbolo e marca da cidade, a Torre dos Clérigos, que tem 75 metros de altura, comemora 250 anos da sua construção em 2013.

Segundo o padre Américo, a ideia é "fazer das tripas coração" para que seja possível "devolver a Torre à cidade".

"Queremos devolver a Torre à cidade. É um edifício que tem três pisos intermédios que estão a pedir clemência e queremos transformá-los em oferta museológica para a cidade", disse, acrescentando que há muitos "materiais litúrgicos, ourivesaria" e outros que merecem ser dados a conhecer à população e aos turistas.

A reabilitação inclui ainda a limpeza interior e exterior do edifício e da igreja anexa, projetados pelo pintor e arquiteto Nicolau Nasoni.

O anúncio foi feito aquando da cerimónia de apresentação do programa comemorativo dos 250 anos deste edifício, classificado como monumento nacional em 1910, do qual se destaca a edição, em fevereiro, de um roteiro das obras arquitetónicas de Nicolau Nasoni no Porto e no Norte.

Américo Aguiar salientou ser intenção da Irmandade "envolver toda a comunidade" na recuperação da Torre, sendo já certo o apoio da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, da Direção Regional de Cultura do Norte, da Câmara do Porto e da Misericórdia, entre outras entidades.

"Queremos replicar a receita que utilizámos na visita do papa [ao Porto]: máximo empenho, custo zero", disse, adiantando que "o empenho das autoridades é um alento".

O comissário para as comemorações dos 250 anos da Torre dos Clérigos, Rui Moreira, afirmou que a sua experiência enquanto presidente da Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU) do Porto "vai ser muito útil".

"Agora tenho tempo para fazer isto, não tive condições na SRU. Aqui é uma coisa mais informal, sem toda a teia de burocracias e dificuldades que encontrei na SRU, que todos conhecem e me levaram a sair da SRU", sublinhou Moreira, que renunciou ao mandato em outubro.

Na cerimónia, o presidente da CCDR-N, Duarte Vieira, afirmou ser "obrigação" da comissão "encontrar solução para realizar alguns trabalhos" de reabilitação dos Clérigos, no âmbito da reprogramação estratégica.

"Vamos encontrar alguma solução para que o Porto não deixe escapar esta oportunidade doas 250 anos da Torre dos Clérigos", disse.

A diretora regional de Cultura, Paula Silva, destacou o altar da igreja anexa à Torre, "feito com mármores de diferentes cores, muito pouco usados no país", afirmando que esta é "uma obra maior de um grande arquiteto".

A par da necessidade de encontrar um financiamento para a recuperação do edifício, a Irmandade dos Clérigos pretende organizar uma série de eventos de animação e lazer ao longo do próximo ano.

Para janeiro está já previsto o lançamento do Bombom Clérigus, enquanto em março se prevê o lançamento de quatro livros sobre a história da Torre, dos autores Francisco Queirós, Germano Silva, Helder Pacheco e Manuel Montenegro.

Diversos concertos e exposições constam ainda da programação das comemorações.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG