Porto

Rio Douro de cor barrenta por culpa das argilas

Rio Douro de cor barrenta por culpa das argilas

A cor barrenta do rio Douro, que tem vindo a causar curiosidade à população, deve-se a argilas que, com as chuvas intensas, escorreram das encostas. Um fenómeno natural e "ótimo" para o ecossistema, explicou ao JN Adriano Bordalo e Sá, investigador e hidrobiólogo do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS).

Com as chuvas intensas que se fizeram sentir há cerca de duas semanas com as depressões Elsa e Fabien, os solos ficaram saturados e acabaram por tornar-se impermeáveis, explicou ao JN Adriano Bordalo e Sá. Com esse fenómeno, e dependendo do declive das encostas, as águas dos afluentes do rio Douro escorreram para o curso principal, juntamente com as argilas características dos solos, conferindo à água uma cor barrenta.

"Todo esse barro foi parar ao rio. É ótimo", continuou o hidrobiólogo, esclarecendo que a argila "vai fertilizar naturalmente a água do rio e depois a do mar". Ou seja, "enriquecendo a águas e as algas, que se vão desenvolver na primavera graças a um adubo natural. "A sardinha vai comer essas algas e no São João vamos ter sardinha muito boa. É o ecossistema a funcionar", acrescentou o hidrobiólogo.

"Esses materiais ficam, normalmente, retidos nas barragens. Com as cheias, foi preciso aliviar essa carga de água e esses materiais vão fertilizar o rio e o mar", referiu.

Incêndios deixaram encostas "carecas"

Ainda de acordo com Bordalo e Sá, os incêndios de 2017 deixaram grande parte do vale das encostas "carecas" e com muito carvão, que também foi levado para o Douro pelas chuvas. "Mas o carvão dos incêndios também acaba por ser positivo porque ajuda a controlar a acidez da água do rio e do mar", esclareceu o hidrobiólogo.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG