Porto

Rui Moreira faz ronda à noite para vigiar claques

Rui Moreira faz ronda à noite para vigiar claques

Confrontos entre adeptos de clubes estrangeiros levaram autarca a acompanhar ação policial. Presidente da União de Freguesias do Centro Histórico defende que cidade "deu imagem de fragilidade"

O presidente da Câmara do Porto passou quatro horas a ver como estavam organizadas as forças policiais, que acompanharam a chegada das claques, de dois clubes estrangeiros, que provocaram desacatos durante três dias na cidade do Porto. Sempre a pé e junto de António Leitão da Silva, comandante da Polícia Municipal, Rui Moreira fez uma ronda, entre as 22 horas de quinta-feira e as 2 horas da madrugada desta sexta-feira, pela Avenida dos Aliados, Praça de D. Filipa de Lencastre e a Rua de José Falcão. Também visitou a Estação de São Bento, local de regresso de muitos adeptos que foram ver os jogos de futebol a Braga e Guimarães.

A presença do autarca na rua aconteceu depois de, na sequência dos desacatos entre claques belgas e inglesas em diferentes pontos da cidade portuense, Rui Moreira ter endereçado uma carta ao ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. Entre outras críticas, o edil sustentou que a PSP do Porto "não teve meios para conter um número limitado de adeptos" fruto de "opções políticas negacionistas", que se "espelham numa legislação desadequada" e que dificulta a "ação dos próprios polícias".

Também para o presidente da União de Freguesias do Centro Histórico do Porto, António Fonseca, a cidade "deu imagem de fragilidade", que poderá ter consequências no turismo. "Os vidros do Café do Cais, na Ribeira, foram partidos, provocando um prejuízo a rondar os três mil euros, e também houve vidros partidos na rua de São João. Os danos serão avultados, mas mais grave é o sentimento de insegurança que nos fez recuar aos anos 90", refere.

Para o autarca, "não foi acautelada" a presença dos adeptos estrangeiros, o que fez com que fosse passada uma "imagem de incapacidade". "A situação poderia ter sido ainda mais grave se os habitantes reagissem. Espero que tenha servido de lição", declara.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG