Porto

Rui Rio convida oposição para discutir "problema da movida" da Baixa

Rui Rio convida oposição para discutir "problema da movida" da Baixa

O presidente da Câmara do Porto admitiu hoje que o problema da "movida" nocturna da cidade "existe" e propôs à oposição que se juntasse ao grupo de trabalho criado em Janeiro, contribuindo para encontrar soluções para o caso.

"O problema existe. Subscrevo a análise que fizeram. É um problema real", afirmou Rui Rio durante a reunião pública do executivo, depois das críticas do PS e da CDU às consequências da dinamização nocturna da Baixa no descanso dos moradores e na política habitacional para aquela zona.

O autarca esclarece que grupo de trabalho criado em Janeiro pela maioria PSD/CDS "foi, fundamentalmente, um grupo de reflexão" e pediu os contributos da oposição.

"Não conheço as ideias [que surgiram na reflexão] e não acho que possam ser infalíveis, até porque não há soluções mágicas. Pergunto aos dois [vereadores] o que acham de transformarmos o grupo de trabalho existente num grupo com a participação do PS e da CDU", observou o edil.

O objectivo da proposta seria a "troca de ideias", podendo depois o grupo de trabalho "reunir com as Juntas de Freguesia envolvidas, com os bares, as associações de bares", procurando "uma maior envolvência com as pessoas", explicou Rio.

Reconhecendo que a "movida" é um "problema", o autarca nota que é "um problema positivo", porque "seria pior se não tivéssemos animação" naquela zona.

"É um problema no âmbito de uma dinâmica positiva", comentou.

PUB

Rui Sá, da CDU, e Manuel Correia Fernandes, do PS, concordaram em incluir o grupo de trabalho que, de acordo com Rui Rio, "não poderá reunir antes de 01 de Novembro".

A proposta do autarca surgiu depois de ambos terem criticado as consequências negativas da "movida" da Baixa.

Correia Fernandes, do PS, alertou que a "movida" "levanta problemas a quem lá vive e a quem lá passa" e que, "embora a Câmara diga que a maioria dos casos são para a polícia", os socialistas consideram que "essa é uma visão parcelar do que está a acontecer".

O vereador socialista mostrou receio de que, "numa cidade onde queremos que vivam cada vez mais pessoas, elas têm cada vez menos condições para isso".

Em causa está o eventual impacto negativo da "movida" no turismo e na dinamização económica, bem como o ruído que impede o descanso dos moradores.

Rui Sá, da CDU, alertou para a mesma questão: "Em 1999, o problema da diversão nocturna era na Ribeira. Em 2001 passou para Massarelos, depois para Lordelo do Ouro, agora está concentrado na Baixa. Quando a moda mudar e a animação passar para outro lado, podemos ter aqui outro problema, que é ter a Baixa ainda mais vazia de moradores", sublinhou.

Para o comunista, "continua a não haver estratégia" relativamente à conciliação entre a animação nocturna e o descanso dos moradores e "até agora a Câmara tem tomado partido da animação em detrimento dos moradores".

A Junta de Freguesia da Vitória convocou para sexta-feira, às 21 horas, uma reunião pública para debater os problemas provocados pela "movida" naquela zona da cidade, disse à Lusa o presidente daquela entidade.

No dia 08, um grupo de moradores, comerciantes e trabalhadores da Vitória reuniu para iniciar a formalização de um movimento de contestação ao ruído e poluição da nova "movida" da cidade.

A 22 de Fevereiro, o vereador do Urbanismo da autarquia, Gonçalo Gonçalves, revelou que o grupo de trabalho criado em Janeiro para resolver os problemas da nova "movida" nocturna da baixa da cidade devia apresentar em breve um plano de actuação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG