O Jogo ao Vivo

Executivo

Troca de cadeiras na Câmara do Porto dá maioria a Moreira

Troca de cadeiras na Câmara do Porto dá maioria a Moreira

Cristina Pimentel suspende o mandato, abrindo a porta a Fernando Paulo. Rui Moreira aproveita a onda de mudança e chama Catarina Santos Cunha, ex-vereadora do PS, agora independente, a assumir funções no Executivo.

"A notícia mais importante é que o Porto volta a ter um Executivo municipal de maioria. Era uma questão de governabilidade da cidade, que fica assim reforçada com a entrada da vereadora independente que passa a fazer parte na nossa equipa com pelouro", começou por afirmar o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, ao final da manhã desta quarta-feira, na Casa do Roseiral, nos jardins do Palácio de Cristal, com Cristina Pimentel ao seu lado.

Fernando Paulo, que não tinha sido eleito nas últimas eleições autárquicas, sobe ao Executivo.

PUB

"Temos uma reunião de Executivo no dia 21. Iremos agendar a indicação da senhora vereadora Cristina Pimentel como presidente da STCP, em que substitui o engenheiro Manuel Queiró. Sendo isso aprovado, haverá depois uma deliberação unânime dos seis municípios [Porto, Maia, Matosinhos, Gondomar, Valongo e Gaia], no sentido de criar um novo Conselho de Administração da STCP, com a Cristina Pimentel como presidente e manteremos, com certeza, a Isabel Botelho Moniz e julgo que será vontade dos outros municípios manterem o Dr. Rui Saraiva. Só a partir daí, depois de empossada na STCP, é que a senhora vereadora suspende o seu mandato na Câmara", calendariza o presidente da Câmara do Porto.

Quanto à distribuição de pelouros, serão "oportunamente" anunciados, referiu Rui Moreira. O autarca quis, desde logo, clarificar que estas alterações não colocam em causa o acordo com o PSD, que "tem corrido muito bem". "Nós temos cumprido e o PSD também tem cumprido", acrescentou.

"O acordo que temos tem a ver com determinadas garantias que demos ao PSD em função de exigências que nos foram colocadas com base naquilo que era o seu programa eleitoral, que nós temos cumprido. Portanto, essa matéria não está também em risco nem posta em causa", esclareceu o presidente da Câmara do Porto.

É certo que o acordo do PSD já garantia a governabilidade da Câmara, como Rui Moreira referiu depois das últimas eleições autárquicas. Mas agora, nota o autarca, "fica reforçada". "Distribuir as funções de governação de uma Câmara por sete ou por seis, não é a mesma coisa. Alivia, naturalmente, e dá-nos uma maior capacidade de ação".

Atribuir pelouros a um dos dois vereadores do PSD não estava em cima da mesa, verifica o autarca. "O PSD sempre afirmou que era Oposição e continua a afirmá-lo. Num Executivo, naquilo que é um Governo, uma coisa é termos um acordo parlamentar, de incidência parlamentar, se assim quiser, que foi celebrado com o PSD, que nós iremos cumprir e sabemos que eles irão cumprir também. Outra coisa é, naturalmente, ter uma Oposição dentro da governação, são coisas, apesar de tudo, diferentes", justificou Rui Moreira.

Sobre um possível mau ambiente interno, Moreira responde: "Não posso avaliar o mal-estar dos outros. Da nossa parte, só posso assumir o nosso bem-estar. É mais confortável passar a ter uma maioria no Executivo do que não a ter. Compreenderão que, para nós, é um bem-estar".

"Período de transição" na STCP

Perante a suspensão do mandato de Cristina Pimentel, que assumirá a presidência do Conselho de Administração da STCP, Rui Moreira começou por abordar o assunto referindo-se ao "período de transição" da empresa, ou seja, à intermunicipalização, "que foi desempenhado com grande empenho e grande eficiência pelo engenheiro Manuel Queiró".

"Mas nós sabíamos que, agora, passávamos a uma fase seguinte e a vereadora Cristina Pimentel desenhou um programa para a STCP, que já foi aprovado, que tem a ver com a criação da STCP Serviços. Precisávamos de um instrumento que assegurasse outras competências na área da mobilidade, nomeadamente com a gestão do Terminal Intermodal de Campanhã, que estará pronto no segundo semestre, que tem a ver com os modos suaves de transportes e também com uma estratégia que a Cristina Pimentel apresentou e que coloca os parques de estacionamento ao serviço da mobilidade e depois a indispensável articulação com a Metro do Porto, onde a Cristina Pimentel é, e continuará a ser também, a nossa administradora", explicou Rui Moreira.

O autarca justificou a mudança com o surgimento de "uma fase em que será necessária uma maior integração entre aquelas que são as competências da Metro do Porto e as da STCP". "Foi com base nisto que entendemos fazer este rearranjo, que é para nós fundamental para conseguir uma maior integração. Isto foi visto, naturalmente, com os outros cinco municípios", clarificou o presidente da Câmara do Porto

"A estratega" da Câmara do Porto

"A STCP passará a ser presidida pela senhora vereadora Cristina Pimentel, que suspende o seu mandato. Continuará também a ser, naturalmente, a estratega da Câmara do Porto relativamente ao transporte público, articulando com a Metro do Porto e com outros municípios, com quem tem particular boa relação. Proximamente anunciaremos a redistribuição de pastas no Executivo", garantiu Rui Moreira.

A mudança, nota Cristina Pimentel, "decorre do processo de intermunicipalização e é um processo natural". "Sempre esteve no horizonte a criação e a dotação da STCP de mais meios e de mais estratégia. A abertura, em breve, do Terminal Intermodal de Campanhã, também assim o indica e penso que ficam aqui alguns instrumentos estratégicos muito relevantes", esclareceu a vereadora.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG