Dívida

Bombeiros Voluntários do Porto têm as contas penhoradas

Bombeiros Voluntários do Porto têm as contas penhoradas

Os Bombeiros Voluntários do Porto têm, desde esta terça-feira, as contas penhoradas devido a incumprimento no pagamento de uma dívida de cerca de 40 mil euros a um bombeiro, revelou à Lusa Paula Silva, profissional daquela corporação.

Em causa está o incumprimento da sentença do Tribunal do Trabalho do Porto a uma ação interposta em 2019 por um dos oito bombeiros que viram o seu despedimento "ser considerado ilícito" por aquele tribunal e ao pagamento das "respetivas indemnizações", acrescentou a fonte.

"Estão penhoradas as três contas da associação porque eles nunca cumpriram com o que decidiu o tribunal", completou Paula Silva, precisando que, "a partir desta terça-feira, todo o dinheiro que a corporação vier a receber está penhorado".

Paula Silva revelou, entretanto, "não terem sido pagos os subsídios de férias", nem "feitos os descontos para a Segurança Social" pela direção da associação.

Nuno Aguiar, que tal como a filha está também a receber indemnização por "despedimento ilícito", ele na qualidade de bombeiro, ela como centralista, admitiu também à Lusa "avançar com uma penhora caso falhe o pagamento das indemnizações devidas" o que, no caso dele, vencerá na próxima sexta-feira.

A Lusa tentou obter uma reação do presidente da associação, Gustavo Pereira Barroco, mas não foi possível.

A corporação vive, há anos, uma situação de acusações de ambas as partes por alegados incumprimentos e irregularidades e que fez com que, em junho, o quartel tenha sido fechado por falta de pessoal na central telefónica.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG