Póvoa de Varzim

Ninguém quer ser coveiro na Póvoa de Varzim

Ninguém quer ser coveiro na Póvoa de Varzim

A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim está, há cerca de um ano, a tentar encontrar um trabalhador para integrar os quadros do município, mas até agora "sem sucesso".

Em Maio de 2010, a autarquia decidiu integrar nos seus quadros um coveiro para o cemitério local, mas o único candidato que apareceu nos três concursos já realizados "não preenchia os requisitos pedidos, tendo chumbado nas provas práticas", adiantou Macedo Vieira à agência Lusa.

Quanto ao trabalho a realizar, o concurso especifica que este trabalhador terá que "proceder à abertura e aterro de sepulturas, ao depósito e ao levantamento dos restos mortais e cuidar do sector do cemitério que lhe está distribuído"

A remuneração para este emprego corresponde ao salário mínimo para a função pública, mas, "há sempre pessoas que deixam gorjetas muito generosas e, na maior parte dos meses, os coveiros conseguem duplicar os seus salários".

Macedo Vieira lamenta o vazio do concurso, sobretudo numa altura em que "as pessoas se queixam tanto da falta de empregos e quando surgem possibilidades de trabalho, ninguém aparece".

O autarca acredita que esta situação se deve ao facto de em Portugal "as pessoas não aceitarem qualquer emprego, porque se criou a sensação de bem-estar oriunda de um passado recente".

"A população ainda não sentiu, de verdade, os efeitos da crise, mas quando isso acontecer, as posturas vão mudar".

PUB

Além disso, "no dia em desaparecerem as almofadas sociais (ajudas do Estado), os preconceitos em relação a determinadas funções vão ter que se alterar", asseverou o autarca.

Agora, a Câmara Municipal vai abrir um novo concurso, mas caso não surjam interessados, o município pondera a possibilidade de recorrer aos serviços de uma empresa privada para operar no cemitério local.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG