DGAV

Exploração ilegal de cavalos em Valongo alvo de processo de contraordenação

Exploração ilegal de cavalos em Valongo alvo de processo de contraordenação

A investigação sobre a exploração ilegal de cavalos em Ermesinde, Valongo, evoluiu para um processo de contraordenação que corre termos no serviço regional do Porto da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária, revelou hoje à Lusa a diretora da DGAV.

Em resposta a um pedido de esclarecimento à Lusa, Susana Guedes Pombo revelou que o processo está em "fase de instrução" e que "será confidencial até à decisão".

A Câmara de Valongo, a Brigada de Proteção Ambiental da PSP e a DGAV abriram em meados de fevereiro uma investigação por alegados maus-tratos aos cavalos da exploração situada em Sampaio, em Ermesinde.

PUB

Entre os mais de 80 cavalos, 10 foram identificados como estando "subnutridos", revelava a denúncia então feita às autoridades, tendo então sido decidido encerrar a exploração assim que todos os animais saíssem.

Dessa investigação faz também parte a identificação dos animais e a verificação de eventuais irregularidades processuais, situação que hoje ainda decorre, confirmou na mesma resposta a DGAV.

Ainda em fevereiro, a Intervenção e Resgate Animal (IRA) propôs à DGAV alojar gratuitamente os 10 cavalos subnutridos da exploração, admitindo ainda, sob condições, ficar com todos.

A resposta surgiu em março, passando a IRA a ser fiel depositária de sete dos cavalos da exploração, então transferidos para uma herdade no sul do Alentejo.

Em abril, a DGAV anunciou que 12 dos 79 cavalos que permaneciam na exploração foram devolvidos ao anterior proprietário.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG