Socorro

CDOS do Porto, Braga e Vila Real "não atenderam"

CDOS do Porto, Braga e Vila Real "não atenderam"

A empresa que gere a navegação aérea (NAV) alertou a Proteção Civil e a Força Aérea para a falha de comunicação com o helicóptero do INEM acidentado em Valongo, meia hora depois da perda de contacto com o aparelho.

Numa nota enviada à Lusa, em que afirma ter adotado "com diligência e celeridade todos os procedimentos estabelecidos para este tipo de situações", a NAV Portugal transcreve, ao minuto, a sequência de acontecimentos após a falta de comunicação com o helicóptero HSU203, acidentado junto a Valongo no sábado e que resultou na morte de quatro pessoas.

Segundo a NAV, a tripulação contactou com a Torre de Controlo do Porto às 18.30 horas, para informar que iria descolar para Macedo de Cavaleiros via Baltar dentro de 5/6 minutos, informando ainda que se não conseguisse aterrar em Baltar, poderia prosseguir para o Porto. Segundo o INEM avançou no sábado, a aeronave estava desaparecida desde essa hora.

A tripulação contactou pela primeira vez a Torre de Controlo do Porto, já em voo, às 18.37, e foi contactada às 18.39 pela Torre de Controlo, que pretendia saber qual a altitude que pretendia manter, tendo a tripulação informado que iria manter 1500 pés.

A primeira perda de sinal radar com o helicóptero deu-se às 18:55, afirmou a NAV, salientando ainda que a perda de comunicações "é normal", devido "à altitude e orografia do terreno". A hora expectável de aterragem, tendo em conta a hora de descolagem do aparelho, era às 19 horas, destacou ainda a NAV.

A empresa destacou que às 19.20, "de acordo com o protocolo de atuação, que determina que 30 minutos após o último contacto expectável se iniciem tentativas de contacto com a aeronave", a Torre de Controlo do Porto contactou telefonicamente várias entidades, entre as quais os bombeiros de Valongo e a PSP de Valongo.

À mesma hora, foi tentado o contacto ainda com os Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS) do Porto, Braga e Vila Real "que não atenderam". "Só após contactar o CDOS de Coimbra, que reencaminhou a chamada para o Porto, é que se conseguiu contactar o CDOS do Porto", vincou a NAV.

Foram também contactados o Aeródromo de Baltar, os telemóveis da tripulação, o Aeródromo de destino, em Macedo de Cavaleiros, o Heliporto de Massarelos, "para saber se tinham optado por regressar, tendo aqui sido contactada a PSP para ir verificar ao local, uma vez que o heliporto não tem operações permanentes", acrescentou a empresa.

Segundo a NAV, às 19.40 foi avisada a Força Aérea Portuguesa, "que é quem ativa a busca e salvamento".

15.13 horas

Helicóptero levantou voo da base de Macedo de Cavaleiros para levar doente ao Hospital de Santo António, no Porto.

18.35 horas

Helicóptero descolou do Porto. Estava prevista uma escala de abastecimento de combustível no heliporto de Baltar, em Paredes.

18.39 horas

Contacto da Torre de Controlo do Porto para saber a que altitude seguiam. Tripulação informou que iria manter 1500 pés de altitude.

18.40 horas

Moradores do lugar da Azenha apercebem-se da queda da aeronave. Uma pessoa ligou para o 112, que avisou o posto da GNR de Campo. Proteção Civil não confirma a receção deste alerta.

18.55 horas

Perda de sinal de radar com o helicóptero. A NAV considera "normal" devido à "altitude e orografia do terreno".

19 horas

Hora expectável para a aterragem do helicóptero

19.15 horas

Linha 112 avisa a GNR do Porto, que mobilizou oito patrulhas de vários postos. No local, os militares contactaram a testemunha que ligara ao 112, que, mais tarde, falou também com a Força Aérea. A GNR tentou localizar telemóveis da tripulação, assim como o sinal emitido pelo helicóptero. Esteve no terreno até à chegada das restantes forças da Proteção Civil.

19.20 horas

NAV dá o helicóptero como desaparecido. Torre de Controlo contacta os CDOS do Porto, Braga e Vila Real e ninguém atende. Consegue contacto com o CDOS de Coimbra, que reencaminhou a chamada para o Porto, diz a NAV. Marco Martins, da Proteção Civil Distrital, diz que o CDOS só foi alertado às 20.15 horas pelo Comando Nacional.

19.40 horas

NAV avisou a Força Aérea, que por sua vez contactou o CODU. Este tenta falar com a equipa médica por telemóvel, sem êxito.

20.09 horas

Hora a que o Comando Nacional de Operações de Socorro diz ter sido avisado do desaparecimento pela Força Aérea.

20.15 horas

Hora a que a Proteção Civil foi alertada, segundo o comandante Operacional Distrital, Carlos Rodrigues Alves. O comandante dos Bombeiros Voluntários de Valongo, Bruno Fonseca, confirma que a corporação só foi ativada às 20.15 horas.

21.45 horas

Helicóptero da Força Aérea levanta da base de Montijo para colaborar nas operações de busca, a pedido da Proteção Civil. No Porto, a aeronave é forçada a aterrar devido às más condições climatéricas.

23.35 horas

Destroços do helicóptero localizados a 600 metros a sul da Capela de Santa Justa. Dois corpos estavam encarcerados na aeronave, outros dois foram projetados para o exterior. Não havia sobreviventes.

1.30 horas

INEM tornava público que o helicóptero fora localizado e confirmava a morte dos quatro ocupantes.

12.29 horas

Ministério da Administração Interna determina a abertura de um inquérito urgente aos mecanismos de reporte da ocorrência e de lançamento de alertas.

3.20 horas

Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e Acidentes Ferroviários (GPIAFF) emite avaliação preliminar do acidente: "A queda da aeronave aconteceu na sequência da colisão com uma antena emissora".


15.30 horas

Operação de socorro é dada por encerrada e os corpos são transportados para o IML.


ver mais vídeos