Vila do Conde

Despensa aberta para dar e receber

Despensa aberta para dar e receber

Caixa solidária na Junta de Vila do Conde recolhe alimentos para necessitados.

A inspiração veio da América. O conceito é "mais do que simples": "Se precisas, tira. Se podes, dá". Chama-se "Despensa-se" e não é mais do que uma pequena despensa. Quem quiser pode lá deixar bens alimentares. Quem precisar pode tirar. Não é preciso pedir. Está aberta a todos, nos jardins da Junta de Vila do Conde e, a avaliar pela velocidade com que enche e esvazia, já está a fazer a diferença.

"Vi, há três meses, uma fotografia de uma caixa idêntica chamada "Blessing Box", nos Estados Unidos, e isso inspirou-me a dar o primeiro passo", explicou ao JN António Bompastor, o mentor do projeto. A partir daí, explica, foi tudo "muito rápido": falou aos amigos e cada um foi ajudando como podia e sabia. "Um fez a caixa, outro deu o vinil, outro criou a página no Facebook, outros ajudaram a encher a nossa "box" e, na Câmara e na Junta, encontrei gente que me recebeu de braços abertos". António, 34 anos, não esconde o orgulho por ver, agora, o "Despensa-se" em pé e já com uma semana de funcionamento "a sério". "É fantástico vê-la de pé e ver que ela esgota. E depois é o prazer que sentes quando sabes que alguém usufruiu, que ajudaste alguém", continua a contar.

PUB

"Isto é que é a verdadeira ajuda: não se sabe quem são os que dão nem os que recebem. Servem-se e pronto. É ser solidário sem dar nas vistas e sem obrigar as pessoas a vir pedir", diz Maria Alcide Aguiar, a presidente da Junta, que se tornou parceira do grupo encabeçado por António Bompastor no projeto.

"Qualquer pessoa que não tenha dinheiro hoje e que precise de comida, tem aqui e ponto final. E quem gosta de contribuir anonimamente também. Depois, se tu te inspirares neste projeto e fizeres um na tua zona, eu vou lá e contribuo. É uma coisa simples que pode tocar a muitos", remata António Bompastor.

Maria Alcide Aguiar tem, agora, um olho mais atento naquele jardim: numa semana, já se encheu e esvaziou a "despensa" várias vezes e só isso já lhe "enche o coração". Contas não as há, porque o anonimato é mesmo o maior segredo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG