Vila do Conde

Elisa Ferraz admite que permitiu projeto do Belamar Complexo em terreno municipal

Elisa Ferraz admite que permitiu projeto do Belamar Complexo em terreno municipal

A ex-presidente da Câmara de Vila do Conde, Elisa Ferraz, admitiu que, "em função da envergadura do projeto", permitiu a construção de "arranjos exteriores" do Belamar Complexo em terreno municipal, sem qualquer contrapartida. A autarca lamenta as constantes "suspeições e perseguição" de que se diz vítima por parte do atual executivo, liderado por Vítor Costa.

"Sabia-se desde o início que havia uma parcela de terreno que pertencia à autarquia e que, em função da envergadura do projeto a desenvolver naquela zona, se considerou que devia ser urbanisticamente tratada, a nível de arranjos exteriores, e só a nível de arranjos exteriores", frisa Elisa Ferraz, acrescentando que tal foi, inclusive, "debatido com os técnicos da referida promotora" (que, ao JN, afirmou desconhecer qualquer irregularidade).

"O embargo [da obra] só serviu para criar alarido social. A anterior câmara só aprovou o projeto de arquitetura, que os gabinetes Jurídico e Urbanístico da autarquia, após um profundo trabalho, consideraram totalmente dentro das normas legais vigentes", afirmou ainda, lamentando que o Vítor Costa continue a "política de insinuações torpes e indutoras de dúvidas sobre a honestidade e transparência do anterior executivo".

Elisa Ferraz afirmou ainda que foi Vítor Costa quem concedeu à promotora a licença de demolição.

Recorde-se que a Câmara embargou a obra no final de janeiro. O megaempreendimento - hotel, zona residencial, comércio e um hipermercado - que ia nascer à entrada da cidade, nos terrenos da antiga conserveira Belamar, está parcialmente em terrenos da autarquia. No lote de 470 m2 está, no projeto divulgado pela José Castro & Filhos, toda a zona de entrada do futuro hipermercado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG