Festival

"Olhó Boneco!" traz Robertos a Vila do Conde

"Olhó Boneco!" traz Robertos a Vila do Conde

É de 13 a 15 de agosto no Parque João Paulo II, em Vila do Conde, e tem entrada livre. A primeira edição do Festival de Marionetas "Olhó Boneco!" vai homenagear o teatro Dom Roberto.

Estarão na cidade 12 dos 14 roberteiros portugueses e há para ver 26 espetáculos destas cómicas marionetas de caráter popular, conhecidas pelas suas barracas coloridas e pela voz estridente. A organização é da La Fontana - Formas Animadas e conta com o apoio da Câmara e da Direção Geral das Artes.

A ideia, explica a companhia organizadora, é, desta forma, "contribuir para preservar e divulgar este tesouro da cultura nacional", que, durante anos e anos, "encantou gerações" e que, ainda recentemente, esteve em risco de se perder. O festival, destinado a miúdos e graúdos, vai decorrer nos três dias, das 11 às 13 horas e das 15 às 19.30, sempre com vários "palcos" espalhados pelo Parque João Paulo II. Há ainda uma banda roberteira, barraquinhas de comida e, para se juntarem à festa, um grupo de Robertos gigantes, que tem andado pela cidade a promover o festival. Estará hoje e quinta-feira a partir das 18.30, junto às praias da cidade e, sexta-feira, na feira semanal no mercado municipal.

PUB

Em 2021, o Teatro Dom Roberto passou a fazer parte do Inventário do Património Cultural Imaterial Nacional. Para celebrar o feito, o 1.º "Olhó Boneco!" é, este ano, dedicado a esta arte.

Tipicamente portugueses, os roberteiros eram, em meados do século XX, encontrados com frequência em ruas, praças, jardins e praias de todo o país e as suas barracas coloridas traziam sempre animação garantida. Era um teatro eminentemente popular, cómico, com textos de tradição oral e muito improviso à mistura.

Nos anos 80, esta forma teatral esteve quase esquecida e foi João Paulo Seara Cardoso, do Teatro de Marionetas do Porto, quem cedo percebeu a necessidade de a preservar. Hoje, em Portugal, há uma nova geração de 14 roberteiros, empenhados em não deixá-la morrer.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG