Covid-19

Surto em lar de Vila do Conde já fez nove mortos

Surto em lar de Vila do Conde já fez nove mortos

Um surto de covid-19 no lar da Ordem Terceira de S. Francisco, em Vila do Conde, já matou nove utentes. Há 53 idosos e 34 funcionários infetados. A Câmara e Cruz Vermelha Portuguesa estão a ajudar a colmatar a falta de pessoal.

"Tivemos uma funcionária que testou positivo na semana antes do Natal. Comunicou-nos e, a partir daí, começamos a testar", explicou, ao JN, o presidente do conselho fiscal, António Justo. Em dois dos cinco lares da instituição - S. Francisco e Santo António -, ambos situados no edifício-sede, há 80 idosos. Neste momento, 53 estão infetados, 12 dos quais internados nos hospitais. Os restantes permanecem isolados no lar. Entre 23 e 30 de dezembro, nove idosos morreram.

Entre os 164 funcionários, há 34 infetados e algumas dezenas em isolamento profilático. A braços com a falta de pessoal, a Ordem, explica António Justo, pediu ajuda à autarquia.

"A Câmara contratou uma empresa de trabalho temporário. Já recebemos 18 pessoas e mais três da Cruz Vermelha", continuou a contar o mesmo responsável, lamentando que os cinco profissionais que seriam contratados no âmbito da MAREESS (Medida de Apoio ao Reforço de Emergência de Equipamentos Sociais e de Saúde) ainda não tenham chegado.

António Justo explica que, por causa do surto, "todas as visitas foram suspensas e os utentes, mesmo os que testaram negativo, não podem sair dos quartos". Reconhece que o Natal, que este ano já seria atípico, foi "ainda mais complicado" e o mesmo sucederá, esta quinta-feira, com a Passagem de Ano.

Ainda assim, garante que a situação "está controlada". Valeu à Ordem, diz, ter comprado testes rápidos, que "permitiram detetar logo os positivos e acelerar as medidas de isolamento". Agora, resolvido o problema da falta de pessoal, agradece a todos os funcionários que "se têm dedicado à causa" para que "todos os utentes tenham os melhores cuidados".

Na próxima semana vai começar nova ronda de testes e, diz António Justo, parte dos funcionários deverão regressar ao serviço.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG